Bibliotecas digitais: do crer ao fazer

A Biblioteca digital pode-se definir como:

“A focused collection of digital objects, including text, video, and audio, along with methods for access and retrieval, and for selection, organization, and maintenance of the collection.”1.

 

Continuar a ler

  1. Witten, I. H., Bainbridge, D., & Nichols, D. M. (2009). How to Build a Digital Library (2 th). Burlington, MA 01803, USA: Morgan Kaufmann []

Jornais em linha – protótipo Europeana

Está disponível o protótipo para disponibilização de jornais em linha.

Este projecto é acessível através da Europeana and The European Library. Realizado com fundos comunitários (European Commission’s CIP 2007 – 2013 programme), pretenderam disponibilizar cerca de 10 milhões de páginas de jornal.

Jornais_01

Continuar a ler

LusOpenEdition

lusopenedition

 

 

LusOpenEdition

Revues.org é um portal de revistas científicas em linha, no domínio das humanidades e das ciências sociais. Privilegia a disponibilização em linha de artigos em texto integral e em acesso livre. As revistas são seleccionadas por um conselho científico.
Cada revista tem uma aparência individualizada.
Na página de acolhimento de cada revista, para além da pesquisa por palavra, temos os índices por autor (ordem direta) e por palavra-chave, o histórico da revista, as informações e mais informações sobre a revista.
É dado destaque ao último número.
Em cada artigo pode-se consultar: o resumo; o índice (palavras-chave); o mapa (sumário); o texto; a bibliografia; os anexos; as notas; as ilustrações; citação (como citar o artigo) e os dados biográficos do autor.
O texto está disponível em PDF. Tanto no PDF como no HTML os parágrafos estão numerados, o que facilita a referenciação, que se mantém independentemente do tamanho do ecrã em que estamos a ver o artigo.
Para a edição das revistas utilizam o lodel, desenvolvido pelo cleo.

Atlas de Ciencias Sociales y Humanidades Digitales #AtlasCSHD

atlas_01Atlas de Ciencias Sociales y Humanidades Digitales

atlas_05

É um novo projeto que pertende dar visibilidade à comunidade das humanidades e ciências sociais digitais em espanhol e português, O atlas surge da colaboração entre o GrinUGR (Grupo de Aprendizaje e Investigación en Internet) e o MapaHD.

atlas_04Para colaborar e integrar este mapa tem de preencher o formulário.

O projeto do CIDHEUS,  EDHILP Edições Digitais para a História da Língua Portuguesa (sécs. XVI-XIX) já se encontra referenciado.

 

atlas_03

Digitized Medieval Manuscripts Maps #DMMmaps

santadart_01

Mapa padrão

fancy_02

Mapa fancy

O projeto The Digitized Medieval Manuscripts Maps criados por Giulio Menna e Marjolein de Vospara, para ajudar os investigadores e entusiastas a localizar e estudar mapas medievais digitalizados disponibilizados em todo o mundo. Há centenas de bibliotecas com os seus espólios digitalizados, mas muitas vezes é difícil encontrá-los. Para contornar este problema, optaram por utilizar uma abordagem crowdsourced: qualquer pessoa que tenha conhecimento de uma biblioteca digitalizada, pode contribuir enviando os detalhes da

fancy_01

biblioteca, e será incluída.

Esta informação pode conter erros, imprecisões, omições, etc., é um trabalho em permanente construção.

A visualização pode ser feita através de dois 
fancy_00
tipos de mapa, o padrão e o fancy.

Mapa Padrão
Este mapa usa o Google Maps JavaScript API v3 em combinação com Google Fusion Tables e Sexy Codicology Data.

Mapa “Fancy
É desenvolvido usando mapa MapBox, ao invés de Google Maps. Ele mostra detalhes diferentes, dependendo do nível de zoom: à medida que o zoom é maior, passamos de uma informação geral de zona, para uma localidade e para uma biblioteca. O tamanho dos círculos determina o número de objectos digitalizados disponíveis para serem pesquisados​​. Este mapa tem um limite de 3.000 visualizações por mês, uma vez que utilizam uma conta gratuita. Dados de onde partiram.

Este projeto é inovador na apresentação dos dados para a construção dos mapas.

LX Conventos – Da cidade sacra à cidade laica

00O objetivo deste projeto é estudar, de forma sistemática e integrada, o impacto da extinção das ordens religiosas no desenvolvimento, funções e imagem da nova cidade liberal, que se define principalmente

01como secular. Em Lisboa, as casas religiosas eram, e ainda são, edifícios de carácter excecional, constituindo-se, desde a Idade Média (simultâneas com o fortalecimento da Nação), como órgãos centrais do poder da Igreja, marcos simbólicos da cidade e centros irradiantes de transformação urbana.

02

Este produto ainda está em fase desenvolvimento, já tendo sido apresentado publicamente, mas ainda não está disponível para consulta. Foi iniciado em 2013 e prevê-se que esteja concluído em 2015.

Pretende-se construir uma plataforma de acesso, para gestão e divulgação de todas as informações reunidas e gerado no contexto do projeto, mapas – Cartografia Histórica (1650-1950), fotografias – atuais e antigas, modelos 3D, informação textual de arquivo e de base de dados, permitido a pesquisa dos vários conteúdos. Quando estiver concluído tem dupla utilidade, para os académicos, contextualizado as várias informações recolhidas e para o público em geral, constituindo-se como uma fonte credível para a história de Lisboa.
Tem como objetivos
Integrar todas as informações, de forma o mais automática possível
Analisar um edifício
Analisar a evolução do espaço de construção
Analisar que rodeia a paisagem
Compreender a evolução da paisagem urbana relacionada
Compreender a forma como o edifício e sua função é alterado
Projeto Financiado Pela Fundação Para A Ciência E Tecnologia (Ptdc/Cpc-Hat/4703/2012).
Instituições Participantes: Faculdade de Ciências Sociais e HumanasCâmara Municipal De LisboaDireção-Geral do Livro Arquivos e BibliotecasFundação da Faculdade de Ciências e Tecnologia.

Mais informações em:
http://www.di.fct.unl.pt/noticias/2014/01/lx-conventos-sessao-de-lancamento
http://citi.di.fct.unl.pt/project/project.php?id=108O 
Agenda Cultural da CML de mês de janeiro:  http://issuu.com/agendaculturaldelisboa/docs/issuu_janeiro

EDHILP – Edições Digitais para a História da Língua Portuguesa (sécs. XVI-XIX)

EDHILP – Edições Digitais para a História da Língua Portuguesa (sécs. XVI-XIX) 

EDHILP

 

 

 

 

Com o objectivo de colocar em linha documentos históricos de natureza metalinguística, que funcionam tanto como publicações e corpora, permitindo a comparação de imagens de manuscritos com a edição diplomática e também fornecendo ferramentas para análise.

Os documentos são propriedade da Biblioteca Pública de Évora. Há a necessidade de inventariação e tratamento sistemático dos referidos documentos. A escolha dos documentos de natureza metalinguística como o tema deste projecto é apoiado em primeiro lugar pelo facto de existirem poucos corpora para Português e ainda há menos que incluem textos dessa natureza. Além disso, a importância dos textos metalinguísticos para Português a partir do século XVI, é reconhecido como fontes com duplo interesse para a história da língua Português, já que, além de descrever um estado de língua, eles são um exemplo disso, agindo simultaneamente como fontes primária e secundária.

A proposta de publicar documentos detidos pela Biblioteca Pública de Évora está ligada, sobretudo, com preocupações de que a proximidade geográfica do centro de pesquisa e e seu papel na prestação de um serviço para a comunidade local e abordar questões relacionadas com o Sul, a partir de uma gama de perspectivas, além de que a colecção Biblioteca Pública de Évora possui imenso valor e de acesso difícil para os investigadores, para que os benefícios deste projecto vão muito além da comunidade local, assumindo relevância a nível nacional e internacional.

Este projecto é desenvolvido no CIDEHUS/UÉ

e-DITTIP – Da terra e do território no império português

 

e-dicionario

 

 

 

Como é referido na página do  projeto: “O e-Dicionário da Terra e do Território no Império Português (e-DITTIP) é um dicionário histórico electrónico, de acesso livre online, em língua portuguesa, sobre temas relacionados, em sentido lato, com a terra, os direitos de propriedade e a organização do espaço nos vários territórios que incorporaram o antigo Império Português, entre os séculos XV e XX.

O e-DITTIP é uma obra publicada sob a direcção editorial e científica de José Vicente Serrão, Márcia Motta e Susana Münch Miranda, contando com a colaboração de múltiplos autores, os quais assumem a plena responsabilidade e autoria dos verbetes que assinam.

O e-DITTIP é uma iniciativa do projecto FCT Lands Over Seas: property rights in the early modern Portuguese Empire” ( PTDC/HIS-HIS/113654/2009)”

Título: e-Dicionário da Terra e do Território no Império Português
Direcção: José Vicente Serrão, Márcia Motta e Susana Münch Miranda
Local de publicação: Lisboa
Editora: CEHC-IUL
Ano de publicação: 2013 e seguintes
ISSN: 2183-1408

Lisboa antes do terramoto de 1755

lix_terramoto_cabecalho

 

 

Está disponível para o público em geral e para os professores em particular os modelos 3D do projeto Lisboa antes do terramoto de 1755. Podem ser agora vistos de forma gratuita num mundo virtual compatível com uma aplicação de visionamento de Second Life® em http://www.kitely.com/virtual-world/Jeff-Bush/Lisbon-1755.

Este projecto foi desenvolvido Centro de História da Arte e Investigação Artística (CHAIA) da Universidade de Évora, e conta com a parceria da empresa Beta Technologies, usando a tecnologia do ambiente virtual Kitely, desde 2010.

A Galeria Real, local de embarque e desembarque do rei e da sua comitiva para o Palácio da Ribeira. À direita vê-se o Torreão poente do Terreiro do Paço e à esquerda uma parte do edifício da Ópera do Tejo. Entre as duas construções, sobressai a Torre Canevari ou Torre do Relógio.

A Galeria Real, local de embarque e desembarque do rei e da sua comitiva para o Palácio da Ribeira. À direita vê-se o Torreão poente do Terreiro do Paço e à esquerda uma parte do edifício da Ópera do Tejo. Entre as duas construções, sobressai a Torre Canevari ou Torre do Relógio.

Na fase actual do projeto foi recriado o exterior do conjunto do antigo Paço da Ribeira que inclui, para além do Palácio da Ribeira, a Rua da Capela, a Praça da Patriarcal, a Torre do Relógio, a Casa da Ópera e o espaço confinante da Ribeira das Naus.

 

 

 

O projeto não está acabado, irão ser inseridos componentes áudio e animação, com a introdução de sons citadinos setecentista, e a reconstituição de espectáculos de ópera, touradas, procissões e outros eventos de destaque no quotidiano da Lisboa da primeira metade do século XVIII.

http://vimeo.com/17044721

Nas humanidades digitais este tipo de projeto tem tido algum sucesso. Infelizmente não existe uma política de preservação e de persistência da informação. Enquanto à financiamento o trabalho está disponível, depois deixa simplesmente de existir ou seja de estar acessível em linha, como foi o caso de Rome Reborn: a digital modelo of ancient Rome.  Outro problema associado, tanto aos projetos de 3D como aos de webmaping, é a falta de disponibilização da informação recolhida, das fontes utilizadas, na construção dos modelos.