Bibliotecas digitais: do crer ao fazer

A Biblioteca digital pode-se definir como:

“A focused collection of digital objects, including text, video, and audio, along with methods for access and retrieval, and for selection, organization, and maintenance of the collection.”1.

 

Continuar a ler

  1. Witten, I. H., Bainbridge, D., & Nichols, D. M. (2009). How to Build a Digital Library (2 th). Burlington, MA 01803, USA: Morgan Kaufmann []

Jornais em linha – protótipo Europeana

Está disponível o protótipo para disponibilização de jornais em linha.

Este projecto é acessível através da Europeana and The European Library. Realizado com fundos comunitários (European Commission’s CIP 2007 – 2013 programme), pretenderam disponibilizar cerca de 10 milhões de páginas de jornal.

Jornais_01

Continuar a ler

Biblioteca digital da medicina tradicional mexicana

Biblioteca digital de la medicina tradicional mexicana

 

A biblioteca digital da medicina tradicional mexicana, tem por base a edição impressa da Biblioteca de la Medicina Tradicional Mexicana elaborada pelo Instituto Nacional Indigenista (INI) entre 1990 a 1994, e foi realizada pela Universidad Nacional Autónoma de México.

Está dividida em quatro secções:

– O Diccionario Enciclopédico de la Medicina Tradicional Mexicana, onde temos os termos por ordem alfabética

– A Medicina Tradicional de los Pueblos Indígenas de México,  o acesso é feito através de uma lista alfabética ou através da localização geográfica no mapa interativo

– O Atlas de las Plantas de la Medicina Tradicional Mexicana, consulta-se por ordem alfabética

Também está disponível a lista dos povoados indígenas.

Nos vários casos acedemos a informação de carater monográfico ou mesmo aos desenhos das plantas

Biblioteca Digital Mundial – World Digital Library (WDL)

Biblioteca Digital Mundial - World Digital Library

Biblioteca Digital Mundial (BDM)  é um projeto conjunto entre a Biblioteca do Congresso americano e a UNESCO  em parceria com mais cento e setenta e três organizações (vd. http://www.wdl.org/pt/partners/).

Os principais objetivos são

– Promover a compreensão internacional e intercultural;

– Expandir o volume e a variedade de conteúdo cultural na Internet;

– Fornecer recursos para educadores, acadêmicos e o público em geral;

– Desenvolver capacidades em instituições parceiras, a fim de reduzir a lacuna digital dentro dos e entre os países.

A BDM disponibiliza em linha desde abril de 2009, gratuitamente, e em sete línguas: português, francês, inglês, espanhol, russo, chinês e árabe, os conteúdos cedidos pelos vários parceiros.

O acesso às obras é realizado através da navegação em: lugar, período, tópico, tipo de item ou instituição.

O lugar é o sítio sobre o qual a obra trata; o período refere a data da obra representada; o tópico permite a navegação através do assunto; tipo de item associa as obras por tipologia de original e a instituição agrupa as obras cedidas por cada uma das instituições.

A pesquisa e a navegação são realizadas através dos registos bibliográficos e da metacodificação associada, traduzida nas sete línguas.

Para a classificação por assunto, a BDM utiliza o Sistema de Classificação Decimal Dewey, que foi disponibilizado pela Online Computer Library Center (OCLC) nos sete idiomas da interface.

O sítio eletrónico da Biblioteca Digital Mundial é hospedado na Biblioteca do Congresso dos EUA. Uma equipe com base na Biblioteca do Congresso mantém o sítio.

Perseus Digital Library

perseus_digital_lib

o projeto Perseus Digital Library, iniciado em 1985, através da colaboração entre universidades europeias e americanas (Tufts University, Furman University, Imperial College, University of Massachusetts, Amherst, University of Missouri at Kansas City e College of the Holy Cross), constituindo um exemplo de projeto colaborativo, congregando variadas instituições e de diferentes nacionalidades.

Em desenvolvimento durante vinte e sete anos, ainda não se encontra terminado, dada a dimensão do objeto de estudo a que se propôs. No entanto, já disponibiliza um vasto corpus de textos clássicos, em latim e em grego, com a respetiva tradução para inglês; mais recentemente, começou a disponibilizar fontes noutras línguas, como o árabe e o alemão, entre outras.

O Perseus ajudou a definir um conjunto de boas práticas aplicáveis a outros projetos idênticos. Constitui um conjunto de informação legível pelo humano, mas também possui outros dados processados de forma automática por meios informáticos, como sejam a ligação a catálogos, a artigos de enciclopédia e a outra informação estruturada, os quais, ao serem analisados podem produzir novos conhecimentos através das ligações sugeridas. Além disso, o projeto permite a referenciação geográfica dos locais mencionados nos textos.

Todas as operações são executadas de forma amigável e óbvia para o utilizador, o que o habilita como um dos projetos mais completos e exemplares no âmbito de digital humanities. “The rise of huge collections and new analytical methods is certainly important because it can provide new tools with which scholars can see what later ages had to say about Greek and Latin sources” (CRANE et al., 2010). Além disso, este projeto desenvolveu um conjunto significativo de competências adicionais, como a estruturação do conhecimento através de marcadores (tag), o multilinguismo, a aplicação extensiva do TEI-compliant XML (Text Encoding Initiative – compliant Extensible Markup Language), a otimização dos algoritmos de pesquisa e de reconhecimento de carateres (OCR), etc. (BAMMAN et al., 2010).

Foi anunciada em junho deste ano versão 1.0 do catálogo, optimizando a pesquisa no acervo.

CRANE, Gregory, et al. “What Did We Do With a Million Books? Rediscovering the Greco-Ancient World and Reinventing the Humanities.” White Paper submitted to the National Endowment for the Humanities Office of Digital Humanities. Available from Tufts Digital Library, Digital Collections and Archives, [Em linha]. Medford, MA. 2010 [Consult. 20 de setembro 2012]. Disponível em www:  http://hdl.handle.net/10427/75558

BAMMAN, David e BABEU, Alison e CRANE, Gregory. “Transferring Structural Markup Across Translations Using Multilingual Alignment and Projection”. [Em linha]. 2010 [Consult. 20 de setembro 2012]. Disponível em www: http://dl.tufts.edu/catalog/tufts:PB.001.002.00007