LusOpenEdition

lusopenedition

 

 

LusOpenEdition

Revues.org é um portal de revistas científicas em linha, no domínio das humanidades e das ciências sociais. Privilegia a disponibilização em linha de artigos em texto integral e em acesso livre. As revistas são seleccionadas por um conselho científico.
Cada revista tem uma aparência individualizada.
Na página de acolhimento de cada revista, para além da pesquisa por palavra, temos os índices por autor (ordem direta) e por palavra-chave, o histórico da revista, as informações e mais informações sobre a revista.
É dado destaque ao último número.
Em cada artigo pode-se consultar: o resumo; o índice (palavras-chave); o mapa (sumário); o texto; a bibliografia; os anexos; as notas; as ilustrações; citação (como citar o artigo) e os dados biográficos do autor.
O texto está disponível em PDF. Tanto no PDF como no HTML os parágrafos estão numerados, o que facilita a referenciação, que se mantém independentemente do tamanho do ecrã em que estamos a ver o artigo.
Para a edição das revistas utilizam o lodel, desenvolvido pelo cleo.

Atlas de Ciencias Sociales y Humanidades Digitales #AtlasCSHD

atlas_01Atlas de Ciencias Sociales y Humanidades Digitales

atlas_05

É um novo projeto que pertende dar visibilidade à comunidade das humanidades e ciências sociais digitais em espanhol e português, O atlas surge da colaboração entre o GrinUGR (Grupo de Aprendizaje e Investigación en Internet) e o MapaHD.

atlas_04Para colaborar e integrar este mapa tem de preencher o formulário.

O projeto do CIDHEUS,  EDHILP Edições Digitais para a História da Língua Portuguesa (sécs. XVI-XIX) já se encontra referenciado.

 

atlas_03

Digitized Medieval Manuscripts Maps #DMMmaps

santadart_01

Mapa padrão

fancy_02

Mapa fancy

O projeto The Digitized Medieval Manuscripts Maps criados por Giulio Menna e Marjolein de Vospara, para ajudar os investigadores e entusiastas a localizar e estudar mapas medievais digitalizados disponibilizados em todo o mundo. Há centenas de bibliotecas com os seus espólios digitalizados, mas muitas vezes é difícil encontrá-los. Para contornar este problema, optaram por utilizar uma abordagem crowdsourced: qualquer pessoa que tenha conhecimento de uma biblioteca digitalizada, pode contribuir enviando os detalhes da

fancy_01

biblioteca, e será incluída.

Esta informação pode conter erros, imprecisões, omições, etc., é um trabalho em permanente construção.

A visualização pode ser feita através de dois 
fancy_00
tipos de mapa, o padrão e o fancy.

Mapa Padrão
Este mapa usa o Google Maps JavaScript API v3 em combinação com Google Fusion Tables e Sexy Codicology Data.

Mapa “Fancy
É desenvolvido usando mapa MapBox, ao invés de Google Maps. Ele mostra detalhes diferentes, dependendo do nível de zoom: à medida que o zoom é maior, passamos de uma informação geral de zona, para uma localidade e para uma biblioteca. O tamanho dos círculos determina o número de objectos digitalizados disponíveis para serem pesquisados​​. Este mapa tem um limite de 3.000 visualizações por mês, uma vez que utilizam uma conta gratuita. Dados de onde partiram.

Este projeto é inovador na apresentação dos dados para a construção dos mapas.

GeoHumanities SIG

GeoHumanities Special Interest Group - ADHO

 

GeoHumanities

Os objetivos do GeoHumanities SIG é criar um ponto de reunião do conhecimento e das boas práticas para as ferramentas digitais existentes, promover o desenvolvimento colaborativo e as novas ferramentas e  programas. Para o efeito, foram criados um site web (www.geohumanities.org), uma conta no twitter (@ GeoHum_SIG). Para se manter informado suscreva a lista em http://lists.lists.digitalhumanities.org/mailman/listinfo/geohumsig

Pode consultar uma cópia da proposta aprovada pelo comité da ADHO em http://geohumanities.org/docs/GeoHumanitiesSIG_4Aug13.pdf 

Succeed

Succeed

Um blogue a seguir para quem se interessa por digitalização em massa de documentos, com especial atenção aos conteúdos textuais.

“Succeed is a support action funded by the European Union. It promotes the take up and validation of research results in mass digitisation, with a focus on textual content”

Podem também acompanhar em @SucceedEU

Todos os protestos desde 1979 num único mapa – ou quase

Todos os protestos desde 1979 num único mapa – ou quase

Notícia do jornal Público de 01-09-2013

No mapa mundi vão surgindo pontos de luz correspondentes às manifestações noticiadas em determinado ano (entre Janeiro de 1979 a Junho de 2013).

Este mapa foi construído a partir da “Global Database of Events, Language, and Tone (GDELT) – ou seja, a Base de Dados Global de Acontecimentos, Linguagem e Tom –, para desenvolver um mapa que fizesse uma súmula visual de como as manifestações se espalharam pelo planeta ao longo do tempo.”
As fontes utilizadas foram as notícias provenientes dos seguintes jornais:
AfricaNews, Agence France Presse, Associated Press Online, Associated Press Worldstream, BBC Monitoring, Christian Science Monitor, Facts on File, Foreign Broadcast Information Service, United Press International, e Washington Post. Também foram incluídos dados nacionais e internacionais do New York Times, as notícias da Associated Press, do Google News. Utilizou o programa cartodb  para realizar a animação.
O autor foi John Beieler é um estudante de doutoramento na Universidade Estadual da Pensilvânia, EUA, que detalha a realização do mapa no post de 19 de Agosto Week of Egyptian Protests.
John Beieler
Twitter: @johnb30
Blogue: http://johnbeieler.org/

Cartographier les terres “barbares” de 1837!

cartographier les terres “barbares” de 1837 !

 

A partir do mapa de 1837, disponível na coleção David Rumsey Historical Map  foi feita uma recomposição e também foram incluídos dados demográficos.
A explicação deste processo está disponível no blogue de Martin Granjean em http://www.martingrandjean.ch/representations-visuelles-cartographie-terres-barbares-1837/.

Representação visual de dados complexos

A representação visual de dados complexos (webmapping), que conjuga a análise do espaço e do tempo, a referenciação geográfica (GIS) e os indicadores estatísticos, tanto para redes fixas como para móveis, constitui uma das linhas mais ativas de investigação e aquela que provoca maior impacto. Estes desenvolvimentos cruzam os interesses de disciplinas como a história, geografia, a estatística e computação. Um dos projetos que segue esta linha é The Spatial History Project da Universidade de Stanford

holocausto_1        holocausto_2

Como exemplo das suas potencialidades, pode referir-se a linha de investigação seguida no Holocaust Geographies, que permite visualizar, de forma dinâmica, os dados referentes à prisão de judeus italianos entre 1943 e 1945. Os dados apresentados são: número de pessoas detidas, idades, sexo, nacionalidade de quem os prendeu, localidades onde foram detidos, distância do local onde foram detidos à residência e a percentagem de falecidos. Os dados são interatuantes: a informação principal aparece sobre o mapa de Itália de forma gráfica (círculos com área proporcional ao número de prisioneiros) e os valores no canto inferior direito correspondem à localidade sobre a qual se encontra o cursor comandado pelo utilizador. No gráfico do canto superior direito é possível visualizar a totalidade das detenções por localidade. Este é um exemplo de uma fonte credível de informação, devidamente referenciada e muito apelativa para o ensino. Foi construído, num modelo de projeto colaborativo, por uma equipa multidisciplinar, constituída por historiadores, linguistas, geógrafos, especialistas na representação espacial de dados e em multimédia.

Este projeto é “a humble and modest – and expensive –  attempt to do history in a different way” (WHITE, 2010).  A sua complexidade deriva do facto de realizar uma representação simultânea do espaço e do tempo, com associação aos eventos relacionados, ao mesmo tempo que integra a informação de arquivo e permite a respetiva visualização de forma muito clara e acessível (SHNAYDER, 2010). Porém, só é possível visualizar os dados no ecrã, uma vez que a aplicação não permite a extração dos dados em modo texto ou em imagem.

SHNAYDER, Evgenia. “A Data Model for Spatial History” [Em linha]. (November). 2010. [Consult. 20 de setembro 2012]. Disponível em www:  http://www.stanford.edu/group/spatialhistory/cgi-bin/site/pub.php?id=23 .

WHITE, Richard. “What Is Spatial History?” [Em linha]. (February): 1–6. 2010. [Consult. 20 de setembro 2012]. Disponível em www:  http://www.stanford.edu/group/spatialhistory/cgi-bin/site/pub.php?id=29.