Apresentações e resumos do II Seminário Internacional História e Língua – Interfaces

II Seminário Internacional História e Língua – Interfaces

Realizou-se no passado dia 23 de setembro de 2014, na sala dos docentes do Colégio do Espírito Santo (Universidade de Évora) o II SEMINÁRIO INTERNACIONAL HISTÓRIA E LÍNGUA – INTERFACES. Programa

As apresentações abordaram algumas das áreas de investigação em humanidades digitais.

003
Professoras Maria José Finatto e Filomena Gonçalves.
Foto de Paulo Rogério Finatto.
Professoras Maria José Finatto e Filomena Gonçalves.
Professoras Maria José Finatto e Filomena Gonçalves.
Foto de Paulo Rogério Finatto.

No primeiro painel – HISTÓRIA E LÍNGUA a conferência de Abertura foi proferida pela Professora Maria José Finatto da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil. O tema foi Lexicologia no Projeto PorPopular: usos de verbos e de substantivos no jornal popular brasileiro. Segundo M. F. AMARAL[1], há um novo gênero jornalístico em ação no Brasil hoje. Esse gênero é o jornal popular, um tipo intermediário situado entre o jornal tradicional e o jornal popular sensacionalista. O objetivo desta apresentação é mostrar a nossa pesquisa junto ao Projeto PorPopular[2] que visa investigar em que medida jornais populares brasileiros, como o jornal baiano Massa! e o jornal Diário Gaúcho inscrevem-se nessa categoria textual e discursiva, Inicialmente, traçamos uma comparação relativa a aspectos lexicais entre esse dois jornais, detendo-nos na observação de verbos e de substantivos mais empregados em cada veículo. Essa comparação segue princípios e métodos da Linguística de Corpus, tal como apresentada no Brasil por Berber Sardinha[3]
Verbos e Substantivos-Massa

Professoras Filomena Gonçalves e Ana Banza. Foto Maria Isabel roque
Professoras Filomena Gonçalves e Ana Banza.
Foto Maria Isabel Roque

Ainda integrado no primeiro painel a apresentação das Professoras Maria Filomena Gonçalves e Ana Paula Banza do Departamento de Linguística (DLL) e do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades, Universidade de Évora (CIDEHUS-UÉ) com o título Projeto EDHiLP: fontes (meta)linguísticas na Biblioteca Pública de Évora. Este projeto tem como objetivos inventariar fontes metalinguísticas na BPE – representativas do português clássico ao português moderno (sécs. XVI-XIX) e dos vários géneros textuais codificadores ou descritivos (gramática, ortografia, dicionário, diálogo, etc.); produzir um catálogo descritivo i.e. uma base de dados em linha; a publicação de um catálogo convencional (livro) com uma amostra representativa das obras recenseadas; criar / adaptar ferramentas de tratamento e pesquisa automática nos textos do corpus possibilitando a investigação linguística da memória metalinguística do português; na fase inicial, prevê-se o tratamento de 10 textos (não existentes em qualquer corpus on-line do português). Numa primeira fase foram identificados 467 obras, sem incluir os incunábulos. Este projeto assenta na aliança entre os antigos e os novos problemas da manipulação de textos. Contribui para a preservação do património textual em meio digital e para os estudos da literacia em língua materna. Possibilita e promove a investigação linguística da língua (formal ou culto). Apresentação

Almoço Foto de Paulo Rogério Finatto.
Almoço
Foto de Paulo Rogério Finatto.

 

A seguir ao almoço foi apresentado o segundo painel, que tinha como tema as HUMANIDADES DIGITAIS, as suas múltiplas facetas. A primeira comunicação da tarde possuía o título “E meu reino siga”: a leitura digital do testamento de Afonso II, foi apresentada por Dália Guerreiro, doutoranda em Ciências da Informação e da Documentação pela Universidade de Évora. É membro integrado do CIDEHUS e bolseira da Fundação para a Ciência e Tecnologia[4]. Tendo como pano de fundo o testamento de 1214 do Rei Afonso II de Portugal, procurou-se discutir a disponibilização em linha de documentos manuscritos. O processo inicia-se na digitalização, para documentos manuscritos, como este, do século treze, a digitalização deveria ser realizada, idealmente, a 1200ppp, TIFF, a 100% e com a escala de cores e de cinza assim as escalas bem como os padrões de legibilidade (legibility patterns), mas a colocação em linha não deve ficar pelo objeto fac-similado. Podemos disponibilizar vários tipos de transcrição desde o tipo 1, com caracteres medievais e com um mínimo de interpretação até ao tipo 4, uma edição interpretativa. Para além da transcrição, mais ou menos erudita, o texto deveria ser codificado, por exemplo em TEI. A codificação permite que os documentos sejam “lidos” por máquinas e pelo homem e além disso podemos apresentar os textos em vários formatos desde o HTML ao e-Pub. Todo o processo desde a digitalização à colocação em linha deve ser devidamente registado e divulgado. Deve-se disponibilizar em linha não só texto como a respetiva imagem, dando oportunidade a que surjam novas interpretações e leitura. Apresentação

Em seguida a Professora Maria Isabel Roque, da Universidade Europeia apresentou a comunicação Entre o real e o virtual: a construção do museu como espaço para o turismo criativo. Começando por dar o enquadramento histórico da viagem e do turismo, relembrou que a viagem como laser e fonte de conhecimento remonta às antigas civilizações, assim como o gosto por colecionar objetos, levando posteriormente à constituição dos museus. Atualmente os grandes museus confrontam-se com o problema das grandes massas de visitantes e a construção de espaços de acolhimento maiores apenas adia o problema da distribuição dos visitantes. Assim sendo o museu tem de se constituir como espaço criativo, dando ao visitante novas formas de “ver”. O museu faculta informação complementar, em vários meios e suportes permitido a personalização da visita para cada um dos visitantes, ao mesmo tempo que contribui para a redistribuição dos visitantes. Apresentação

005
Professora Paula Quaresma e Dália Guerreiro
Foto Maria Isabel Roque

Depois de uma pequena pausa a Professora Paula Carvalho, da Universidade Europeia apresentou a comunicação: Análise Automática de Sentimento ao dispor das Humanidades e das Ciências Sociais. O trabalho baseia-se no processamento da linguagem natural. A análise é feita através das palavras gramaticais que permitem compreender fenómenos relacionados com a psicologia e a cultura das comunidades. O estudo realiza a análise de sentimentos e opiniões através da rede social Twitter. Este tipo de estudos produz resultados que se podem aplicar as empresas, política ou ciências sociais. Este trabalho é uma simbiose entre a informática e a linguística, pois por um lado os algoritmos são criados pelos informáticos, mas as suas regras são desenhadas á luz da linguística. Foram apresentados alguns exemplos.

Seguiu-se o Professor Daniel Alves da Universidade Nova de Lisboa, Instituto de História Contemporânea apresentou a comunicação: Visualização e análise espacial nas Humanidades: o que ganhamos, o que perdemos? As visualizações gráficas como forma de comunicar processos mentais são uma ciência antiga. As ferramentas que permitem essas visualizações potenciam a criação e a descoberta de novo conhecimento e com a revolução tecnológica as versões digitais e dinâmicas dessas ferramentas estão a ser usadas em várias áreas. Nas Humanidades Digitais podem ser usadas duas perspetivas, seja para apresentação de resultados, seja como ferramentas de análise. A visualização tem sido uma área de grande desenvolvimento dentro do contexto mais amplo das Humanidades Digitais. As visualizações por vezes simplificam a informação, têm falta de transparência, fraca legibilidade e ambiguidades. Potencialidades das visualizações: flexibilidade, interatividade e manipulação. Em conclusão: as visualizações são hoje em dia uma metodologia essencial para a produção de conhecimento; constituem uma área de investigação e desenvolvimento relevante no campo das Humanidades Digitais; podem contribuir para uma aproximação entre as Humanidades e as “Ciências”; a oferta de ferramentas disponível tende a ser avassaladora e torna necessário um trabalho crítico mais apurado por parte do investigador; apesar de alguns “contras”, as vantagens da visualização, na exploração, análise e apresentação de dados fazem com que sejam indispensáveis aos investigadores em Humanidades. Apresentação

Por fim o Professor Paulo Quaresma da Universidade de Évora, Departamento de InformáticaCentro de Inovação em Tecnologias de Informação proferiu a conferência de encerramento: Como pode a informática ajudar na análise e divulgação de documentos históricos? Um dos campos onde a informática se cruza com as humanidades é com a História e com a Língua através do reconhecimento de caracteres (OCR), análise de corpora, análise lexical, sintática, semântica, extração de informação, povoamento de ontologias, etc. Mostrou a aplicação prática às Gazetas Manuscritas de BPE (1729-1754), através da extração de relações de parentesco e povoamento de uma ontologia. Em conclusão: o recurso a técnicas de processamento de Língua Natural permite a criação de ferramentas com a capacidade de analisar automaticamente, extrair e representar o conteúdo de documentos (históricos ou não). Em documentos históricos, o léxico e a sintaxe utilizada coloca um conjunto novo de problemas e requer a adaptação das metodologias existentes (criação de novo léxico e alteração das regras de sintaxe). Apresentação


[1] AMARAL, M. F. Lugares de fala do leitor no Diário Gaúcho. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2004.

AMARAL, M. F. Jornalismo Popular. São Paulo: Contexto, 2006.

[2] http://www.ufrgs.br/textecc/porlexbras/porpopular/

[3] BERBER SARDINHA, T. Linguística de corpus. São Paulo: Manole, 2004.

[4] Bolsa de formação avançada, SFRH/BD/82229/2011


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.