Humanidades Digitais versus bibliotecas

Georgia Tech Library
Georgia Tech Library, Atlanta, USA, em meados do século XX e na atualidade  http://goo.gl/i8KmJ5

 

As oportunidades que as Humanidades Digitais “criaram” para as bibliotecas

A era digital veio alterar o modo como se processa a recolha, a produção e a divulgação a informação. O computador é assumido como uma ferramenta essencial para ordenar, interrogar e analisar os dados disponibilizados a uma escala cada vez mais alargada.

As Humanidades Digitais, surgidas a partir da computação para as humanidades, procuram conciliar os conhecimentos e os métodos utilizados nas ciências humanas com o mundo digital. No contexto das universidades, têm vindo a ser criados grupos de trabalho para definir ferramentas, desenvolver métodos e gerir projetos no âmbito das humanidades digitais. É essencial que o bibliotecário participe nestes projetos, pois por um lado tem um conhecimento privilegiado das normas por outro pode funcionar de mediador, divulgador do conhecimento produzido.

As exigências dos utilizados/investigadores face à informação disponibilizada em linha é cada vez maior. Cada vez mais, o leitor da biblioteca é um utilizador exigente, mas requer uma orientação especializada, pois a biblioteca passa a disponibilizar um vasto conjunto de fontes e em diversos suportes. Por isso, as bibliotecas e os bibliotecários são coagidos a adquirir novas competências, nomeadamente, na utilização de ferramentas colaborativas ou na gestão de citações e bibliografia, etc.

As bibliotecas universitárias ou de investigação (de centros de estudo) estão particularmente atentas às modificações que os avanços tecnológicos têm permitido e ao apoio às Humanidades Digitais aos utilizadores em geral.

Atualmente tenta-se fornecer, em função das necessidades dos utilizadores, o acesso às obras tradicionais e às digitais, a biblioteca é um local para consumir e criar conhecimento.

O trabalho do bibliotecário conhece novas vertentes como o enriquecimento dos registos bibliográficos com sumários, índices ou excertos que é um dos aspetos mais valorizados pelos utilizadores como forma de apoiar a sua decisão na escolha do item apropriado para satisfazer as suas necessidades ou interesses.

A biblioteca universitária tende a evoluir para centro de competências. Além da mediação e da organização e de todas as funções inerentes à gestão da biblioteca tradicional e digital, vai desenvolver outras atividades. Passa a produtor de informação validada. A biblioteca terá de se constituir como um centro de competência, por exemplo na área da publicação digital, dando apoio na criação de wiki, blogues, …

A infraestrutura, os conteúdos e os serviços devem constituir o eixo de desenvolvimento da biblioteca.

As bibliotecas digitais tendem, igualmente, a tornar-se mais flexíveis. O objetivo já não é apenas a disponibilização de imagens em linha como acontecia nos primeiros projetos, ainda de caráter embrionário e experimental.

Vocacionadas para a investigação, utilização e a reutilização da informação, descrição e a estruturação do objeto digital, conservação e a preservação da informação no tempo.

Atualmente, exige-se às bibliotecas digitais que forneçam serviços personalizados e que integrem ferramentas úteis a grupos específicos de utilizadores, como os investigadores e os professores.

Não obstante, é necessário parcimónia na disponibilização de ferramentas inadequadas ou supérfluas, as quais acabam por não ser usadas. Por outro lado, recomenda-se que, para potenciar a utilização das bibliotecas, de forma correta e adequada, a criação e o desenvolvimento de boas páginas de ajuda, a realização de ações de esclarecimento e formação e a produção de campanhas de divulgação e publicidade.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.