Bibliotecas digitais: do crer ao fazer

A Biblioteca digital pode-se definir como:

“A focused collection of digital objects, including text, video, and audio, along with methods for access and retrieval, and for selection, organization, and maintenance of the collection.”1.

 

  • Conjunto de documentos, imagens, sons, textos, vídeos – nados digitais ou digitalizados – colocados em linha na Web, devidamente organizados e estruturados, usando as novas tecnologias no acesso e na recuperação da informação2.

A UNESCO aprovou, na 36ª Conferência Geral (de 25 de outubro a 10 de novembro de 2011, em Paris), o Manifesto da IFLA/UNESCO sobre as bibliotecas digitais. Neste texto, define-se que a biblioteca digital tem de ser constituída de acordo com as normas internacionais, ser persistente no tempo e manter os conteúdos devidamente organizados e estruturados, usando as novas tecnologias no acesso e na recuperação da informação. As bibliotecas digitais têm a missão de fornecer o acesso direto à informação.

“Una biblioteca digital es una colección en línea de objetos digitales de buena calidad, creados o recopilados y administrados de conformidad con principios aceptados en el plano internacional para la creación de colecciones, y que se ponen a disposición de manera coherente y perdurable y con el respaldo de los servicios necesarios para que los usuarios puedan encontrar y utilizar esos recursos. La misión de las bibliotecas digitales consiste en proporcionar acceso directo a recursos informativos, digitales y no digitales, de manera estructurada y fiable, para de esa manera vincular la tecnología de la información, la educación y la cultura en las bibliotecas actuales”3

  • A Biblioteca digital possui algumas vantagens face à sua congénere tradicional (brick and mortar)4
    • Aumento da visibilidade das coleções (acesso/difusão)
    • Funciona sem horário
    • Permite o acesso à distância
    • Permite o acesso direto às obras
    • Permite o acesso simultâneo de vários utilizadores
    • Pode facilitar o acesso a pessoas com deficiência
    • Contribui para a preservação física dos documentos
    • Exige pouco espaço de armazenamento
    • Premite a utilização de documentos “originais” no contexto de sala de aula

A criação de uma biblioteca digital exige uma planificação antecipada. Ainda antes de pensar nas obras a digitalizar, ou no modo de o fazer, deve caraterizar-se a biblioteca/serviço, qual a sua missão e objetivos, identificar os recursos humanos disponíveis e respetivas competências e fazer o levantamento do equipamento existente ou a adquirir. Ou seja, é necessário fazer uma caraterização, o mais completa possível, quer da biblioteca, quer dos serviços e do pessoal envolvido. Isto implica ponderar se a instituição tem meios prosseguir na elaboração de um projeto de digitalização, partindo do princípio que este não vai ser uma tarefa excecional, mas mais uma rotina adicional a implementar5.6

2016-06-01_BibDigitais_DG

Uma biblioteca digital é muito mais do que aquilo que se vê. Podemos compara-la a um iceberg, os leitores só se apercebem do topo que emerge fora das águas. No entanto há todo um outro trabalho submerso. Para criar, gerir e manter uma biblioteca digital temos que definir as politicas de digitalização e de encadernação digital, incluindo os metadados a associar, definir o modelo dos objetos digitais, e as normas de preservação digital.

Uma biblioteca digital é um projeto em evolução e crescimento.

Cite this article as: Guerreiro, Dália, "Bibliotecas digitais: do crer ao fazer," in Bibliotecas e humanidades digitais , 26/06/2016, https://bdh.hypotheses.org/1584.

 

 

 

  1. Witten, I. H., Bainbridge, D., & Nichols, D. M. (2009). How to Build a Digital Library (2 th). Burlington, MA 01803, USA: Morgan Kaufmann []
  2. A associação de ficheiros digitais, normalmente PDF, à ficha bibliográfica do objeto digital não constitui uma biblioteca digital, pois essa informação não se encontra organizada nem estruturada []
  3. IFLA, & UNESCO. (2010). IFLA/UNESCO Manifesto for Digital Libraries. Manifesto Endorsed by the 36th Session of the General Conferences of UNESCO, 1–4. Retrieved from []
  4. trad. livre pedra e cal []
  5. Sitts, M. (Ed.). (2000). Handbook for digital projects: a management tool for preservation and access. Andover Mass.: Northeast Document Conservation Center []
  6. Vd. Guerreiro, D. M. G. (2016). Bibliotecas digitais: divulgação e preservação. Cidade Solidária, (35), 130–137. Disponível em: academia.edu []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *