APP’s

Temos estado a tentar criar uma APP (aplicativo móvel) com conteúdos no domínio do turismo cultural e criativo. A primeira grande dificuldade foi equacionar se seria mesmo necessária uma APP, ou se bastaria criar um conjunto de páginas estáticas.

O conteúdo a disponibilizar era constituído por imagens, textos e lugares georreferenciados de:

  • Património, edificado
  • Tradições
  • Ruas, toponímia
  • Comidas, restaurantes

Esta informação, preferencialmente destinada a turistas, pretendia ter “algo” que:

  1. fosse fácil de atualizar,
  2. se pudesse instalar nos telemóveis ou tablets,
  3. que avisasse o turista que se encontrava numa zona com informação,
  4. definisse rotas a partir do ponto onde se encontrava até um ponto de interesse e que indicasse a distância a que se encontrava,
  5. interligasse as várias peças,
  6. permitisse a personalização do tamanho da letra exibida no ecrã,
  7. permitisse o aumento ou diminuição das imagens a visualizar,
  8. permitisse a criação de listas de favoritos,
  9. permitisse aos utilizadores partilharem
    1. nas redes sociais
    2. comentários.

Ao fazer a lista das exigências a que o “produto” deveria responder, ficou claro que a melhor aposta seria uma APP disponibilizada para iOS1 e Android2.

Um conjunto de páginas em HTML daria resposta à maioria das exigências, mas não permitiria os alertas aos utilizadores.

Em ambos os casos, para a consulta da informação, é necessário que o equipamento possua ligação à Internet.

De seguida, começou-se a pesquisa sobre os aplicativos a utilizar. A grande maioria dos aplicativos disponibiliza uma versão para teste durante um mês. Para lá deste prazo, é necessário subscrever um plano. Finda a subscrição, deixamos de ter acesso ao BackOffice, ou seja, não se podem fazer correções e, nalguns casos, a aplicação é retirada da net.

O único produto gratuito, que se encontrou, foi o MIT App Inventor, mas este apresenta o inconveniente de apenas disponibilizar as APP para Android. Além disso, a execução da APP necessita de conhecimentos em programação por blocos.

Nos restantes produtos, para além do custo de manutenção, que nalguns casos pode ultrapassar 500€ por ano, temos o problema da preservação digital. A maioria dos produtos não nos permite exportar o código gerado, ou seja, temos o produto criado numa plataforma e não podemos mudar, migrar, para outra. Não são enunciadas as políticas de preservação que cada empresa pratica. Uma vez criada a APP numa plataforma, ficamos completamente reféns das entidades que a detêm.

Quando a opção for a criação de uma APP, temos que considerar a contratação de uma empresa, ou de um informático, para a realizar  e, ainda, a disponibilização do servidor. A opção de subscrição de uma plataforma apresenta o problema da preservação digital e dos custos de continuidade.

Daqui a quanto tempo as APP’s, criadas na atualidade, ainda estarão disponíveis em linha e devidamente atualizadas?

Cite this article as: Guerreiro, Dália, "APP’s," in Bibliotecas e humanidades digitais , 31/07/2016, https://bdh.hypotheses.org/1592.

Imagem de destaque: http://marketingland.com/wp-content/ml-loads/2014/12/mobile-apps-pile-ss-1920.jpg

  1. Sistema operacional móvel da Apple Inc. []
  2. Sistema operativo móvel desenvolvido pela Google. []

3 comentários a “APP’s

  1. Boa noite,

    Atualmente, ando a rever programação móvel, para tirar uma certificação no fim do ano. Se precisarem de alguma ajuda, alguma informação, etc… posso ajudar… Trabalho numa empresa que trabalha neste ramo (software para a gestão de informação), mas estou a tentar encontrar um projeto paralelo… Se o projeto for engraçado / interessante, não me importo de ajudar no meu tempo livre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *