Representação visual de dados complexos

A representação visual de dados complexos (webmapping), que conjuga a análise do espaço e do tempo, a referenciação geográfica (GIS) e os indicadores estatísticos, tanto para redes fixas como para móveis, constitui uma das linhas mais ativas de investigação e aquela que provoca maior impacto. Estes desenvolvimentos cruzam os interesses de disciplinas como a história, geografia, a estatística e computação. Um dos projetos que segue esta linha é The Spatial History Project da Universidade de Stanford

holocausto_1        holocausto_2

Como exemplo das suas potencialidades, pode referir-se a linha de investigação seguida no Holocaust Geographies, que permite visualizar, de forma dinâmica, os dados referentes à prisão de judeus italianos entre 1943 e 1945. Os dados apresentados são: número de pessoas detidas, idades, sexo, nacionalidade de quem os prendeu, localidades onde foram detidos, distância do local onde foram detidos à residência e a percentagem de falecidos. Os dados são interatuantes: a informação principal aparece sobre o mapa de Itália de forma gráfica (círculos com área proporcional ao número de prisioneiros) e os valores no canto inferior direito correspondem à localidade sobre a qual se encontra o cursor comandado pelo utilizador. No gráfico do canto superior direito é possível visualizar a totalidade das detenções por localidade. Este é um exemplo de uma fonte credível de informação, devidamente referenciada e muito apelativa para o ensino. Foi construído, num modelo de projeto colaborativo, por uma equipa multidisciplinar, constituída por historiadores, linguistas, geógrafos, especialistas na representação espacial de dados e em multimédia.

Este projeto é “a humble and modest – and expensive –  attempt to do history in a different way” (WHITE, 2010).  A sua complexidade deriva do facto de realizar uma representação simultânea do espaço e do tempo, com associação aos eventos relacionados, ao mesmo tempo que integra a informação de arquivo e permite a respetiva visualização de forma muito clara e acessível (SHNAYDER, 2010). Porém, só é possível visualizar os dados no ecrã, uma vez que a aplicação não permite a extração dos dados em modo texto ou em imagem.

SHNAYDER, Evgenia. “A Data Model for Spatial History” [Em linha]. (November). 2010. [Consult. 20 de setembro 2012]. Disponível em www:  http://www.stanford.edu/group/spatialhistory/cgi-bin/site/pub.php?id=23 .

WHITE, Richard. “What Is Spatial History?” [Em linha]. (February): 1–6. 2010. [Consult. 20 de setembro 2012]. Disponível em www:  http://www.stanford.edu/group/spatialhistory/cgi-bin/site/pub.php?id=29.

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.