O Dia das Humanidades Digitais (#diahd): uma aproximação em números

Dia das humanidades digitaies

O Dia das Humanidades Digitais foi criado com o objetivo de divulgar o que os humanistas digitais fazem efetivamente.

Assinalado desde 2009, o Dia das Humanidades Digitais 2013, foi, pela primeira vez, organizado em português e espanhol pelas seguintes instituições:

– CenterNet

– Humanidades Digitales Hispánicas. Sociedad Internacional (HDH)

– Facultad de Filosofía y Letras, Universidad Nacional Autónoma de México

– Red de Humanidades Digitales (RedHD)

– Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa

–  Humanidades Digitais, Universidade de São Paulo

O registo das atividades deste dia de trabalho foi recolhido através de uma página criada e administrada pela Facultad de Filosofía y Letras, Universidad Nacional Autónoma de México, com o endereço http://dhd2013.filos.unam.mx/pt-br/ , onde havia a hipótese de ser criado um blogue para registar qualquer atividade relacionada com o tema.

Foram registados 144 membros, institucionais e individuais, e criados 97 blogues.

Os dados, que a seguir apresentamos, foram facultados por Marco Godínez, do comité organizador, a quem agradecemos.

Entre 17-05-2013 e 16-06-2013,houve um total de 2.291 pessoas a aceder ao sítio, o que totalizou 4.964 visitas, sendo o pico de maior número de visitantes 904 no dia 10 de junho. Deste universo 55,3 % das visitas acederam à página mais de uma vez.

A língua com maior representatividade nos acessos foi a espanhola com cerca de 46,23%, seguido da língua inglesa 21,54%, com acessos realizados a partir dos Estados Unidos da América. Em 3.º lugar, registou-se o português, com 20,43%, sendo que 10,40% foram acessos do Brasil, e, os restantes, de Portugal. Isto corresponde à seguinte distribuição por países mais relevantes:

– México – 30,72%

– Espanha – 23,78%

– Portugal – 14,85%

– Brasil – 12,21%

– Estados Unidos da América – 3,96%

– Canadá – 3,90%

– Reino Unido – 2,92%

Mapa Dia das humanidades digitais pt-es

Neste evento em particular, o México e Espanha são os países com maior número de acesso, mas, de forma global, mais uma vez se destaca o maior envolvimento nas questões das humanidades digitais nos continentes Americano e Europeu, seguindo-se o Japão, a Austrália e a Índia.

A aparente discrepância entre a língua utilizada e o país de onde é feito o acesso deve-se, por um lado, à mobilidade dos investigadores, sobretudo dos que adquirem competências noutros países, e à necessidade de compreenderem e se exprimirem em mais do que uma língua para manter ativos os contactos com a comunidade científica alargada.

O browser mais utilizado foi o Chrome (41,2%) seguido do Firefox (23,8%) e do Safari (18,5%); o Internet Explorer (7,4%) foi aquele que registou um menor número de utilizadores, sendo este um dado a reter quando se construir ferramentas para a web.

As visitas foram maioritariamente (45,70%) canalizadas para as páginas através das redes sociais, através do Facebook e do Twitter.

Cerca de 67,4% dos membros registados criaram o respetivo blogue, mostrando um empenho real em participar e dar visibilidade aos projetos que se estão a desenvolver na área das humanidades digitais um pouco por todo o mundo.

Face a estes dados, pode concluir-se que o Dia das Humanidades Digitais (#diahd) em português e espanhol foi um sucesso.


3 thoughts on “O Dia das Humanidades Digitais (#diahd): uma aproximação em números

  1. Pingback: Dia das Humanidades Digitais 2016 #DayofDH | Bibliotecas e humanidades digitais

  2. Pingback: Dia HD 2014 | Humanidades Digitais

  3. Pingback: Dia das Humanidades Digitais 2014 | AHDig

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.