Combata o isolamento, leia livros

A proliferação dos media baseados na web, a disponibilização de um crescente volume de conteúdos (incluindo as redes sociais), a emergência de técnicas de análise automatizada de conteúdos e de ambientes de visualização, a computação na nuvem, etc., veio contribuir para uma revolução que nos trouxe possibilidades quase ilimitadas para a criação, a análise e a disseminação de conhecimento. As Humanidades Digitais visam ajudar a interpretar o impacto cultural e social desta nova realidade, responder às questões históricas e filológicas que daí emergem.

Segundo Kirschenbaum (2012) e Fitzpatrick (2012) a designação digital humanities (traduzido aqui para português como Humanidades Digitais) é utilizada pela primeira vez em 2004 na obra Companion to digital humanities, (Schreibman, Siemens e Unsworth, 2004), em alternativa a humanities computing, e assim evoluindo de um mero serviço para uma nova prática. (Hayles, 2012, p. 43)

Em termos genéricos, as Humanidades Digitais englobam o conjunto de pesquisas e experiências que visam facilitar a utilização dos recursos digitais no âmbito das ciências sociais e humanas, tornando-os mais intuitivos e acessíveis.

As Humanidades Digitais, mais do que apenas conteúdos em linha, implicam uma mudança na forma de trabalhar. O objetivo das Humanidades Digitais é muito maior do que a transferência de meio, centrando-se no desafio epistemológico (Cfr. Gonçalves; Banza, 2013, p. 5), isto é, sobre o modo como se alcança o conhecimento.

“Desvalorizadas desde há décadas pela cultura do rendimento imediato, das falácias do “empreendedorismo”, “empregabilidade” e da utilidade e consumo imediatos, as tradicionais Humanidades encontram nas Humanidades Digitais um terreno bastante promissor, com impacto directo na preservação e divulgação do património, mas também na economia”. (Gonçalves; Banza, 2013, p. 5)

Por isso, há que rentabilizar os investimentos realizados ao longo dos anos, tanto na digitalização massiva dos acervos, como na própria investigação. Também por esse motivo, procura ampliar-se a divulgação dessa produção científica, assumindo que se trata de fonte credível e certificada para a investigação.

Acompanhando a evolução tecnológica e a crescente procura das obras de referência, desde 1990 que se iniciou a constituição de bibliotecas digitais e a respetiva disponibilização em linha (Besser, 2004). As bibliotecas digitais foram construídas, numa primeira fase para os investigadores, mas o publico alvo a que se destinam foi progressivamente alargado.

Devido às contingências que a pandemia Covid-19 impôs e com o encerramento das bibliotecas, as bibliotecas digitais[1] constituem, a par de outros recursos[2], uma fonte de leitura.

Podemos encontrar recursos em português em:

Biblioteca Nacional Digital: biblioteca digital da biblioteca nacional.

Alma Mater: é a Biblioteca Digital de Fundo Antigo da Universidade de Coimbra.

Biblioteca digital da Faculdade de Letras da UL: Obras do fundo antigo e periódicos.

Brasiliana: é constituída por coleções, pessoais ou institucionais, tendo por tema especificamente o Brasil.

Biblioteca Nacional Digital – Brasil: coleção de obras digitalizadas da biblioteca Nacional do Brasil.

Projecto Guntemberg: é um esforço voluntário para digitalizar, arquivar e distribuir obras culturais através da digitalização de livros.

Internet Archive: Internet Archive é uma organização sem fins lucrativos dedicada a manter um arquivo multimídia de informações.

Open Library: é uma biblioteca digital, colaborativa, aberta, disponível ao público.

Hemeroteca Digital de Lisboa: Periódicos

Hemeroteca Digital do Algarve: Periódicos do Algarve

 

E-books gratuitos:

Impressa Nacional Casa da Moeda: coleção o essencial sobre…

Projeto Vercial: pretende divulgar o maior número possível de autores de língua portuguesa

Biblioteca Digital Camões:  conjunto de textos e documentos de grande relevância cultural e linguística.

 

Referências

Besser, H. (2004). The past, present, and future of digital libraries: Why are digital libraries important to humanists? What is a library ? In S. Schreibman, R. Siemens, & J. Unsworth (Eds.), A companion to digital humanities (pp. 557–575). Oxford: Blackwell.

Fitzpatrick, K. (2012). The Humanities, done digitally. In M. K. Gold (Ed.), Debates in the Digital Humanities (p. 504). Minneapolis; London: University of Minnesota Press. Acedido em http://dhdebates.gc.cuny.edu/debates/text/30

Gonçalves, M. F., & Banza, A. P. (2013). In limine. In M. F. Gonçalves & A. P. Banza (Eds.), Património textual e Humanidades Digitais: da antiga à nova filologia. Évora: CIDEHUS. Acedido em http://dspace.uevora.pt/rdpc/handle/10174/10468

Guerreiro, D. M. G. (2018). Bibliotecas digitais para as Humanidades: novos desafios e oportunidades [tese doutoramento]. Universidade de Évora, Évora. Obtido de http://dspace.uevora.pt/rdpc/handle/10174/23282

Hayles, N. K. (2012). How we think: Transforming power and digital technologies. In D. M. Berry (Ed.), Understanding digital humanities. Houndmills, Basingstoke, Hampshire: Palgrave Macmillan.

Kirschenbaum, M. G. (2012). What is digital humanities and what’s it doing in English departments. In M. K. Gold (Ed.), Debates in the digital humanities (pp. 3–11). Minneapolis, MN: University of Minnesota Press.

Schreibman, S., Siemens, R., & Unsworth, J. (Eds.). (2004). A companion to digital humanities. Oxford: Wiley-Blackwell.

Notas:

[1] Neste contexto consideramos biblioteca digital – biblioteca que disponibiliza em linha obras digita­lizadas ou nadas digitais, com um sistema que permite a pesquisa e recuperação da informação. Com os serviços inerentes a uma biblio­teca como a organização, gestão da coleção, preservação e dissemi­nação e que fornece os serviços sem fins comerciais.

[2] Ver por exemplo: E se um escriba egípcio nos entrasse em casa e olhasse nos olhos? Museus e exposições disponíveis na web em https://amusearte.hypotheses.org/6230

Cite this article as: Guerreiro, Dália, "Combata o isolamento, leia livros," in Bibliotecas e humanidades digitais , 18/03/2020, https://bdh.hypotheses.org/2624.

2 comentários em “Combata o isolamento, leia livros”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.