Bibliotecas a Sul: apresentação do livro

A obra foi apresentada por Teresa Calçada e Ana Paula Gordo a 5 de março 2024, pelas 15h, na Biblioteca da Escola Secundária Gabriel Pereira, Évora.

Guerreiro, Dália, e Maria Isabel Roque, editors. Bibliotecas a Sul. Publicações do Cidehus, 2023, https://doi.org/10.4000/books.cidehus.21573.

Capa do livro Bibliotecas a Sul: pontos de encontro. Pequenas figuras em mosaico.
Composição elaborada por Mário Rita a partir dos seus desenhos (série “Alices”, 2007-2022), 2023.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Continuar a ler “Bibliotecas a Sul: apresentação do livro”

Combata o isolamento, leia livros

A proliferação dos media baseados na web, a disponibilização de um crescente volume de conteúdos (incluindo as redes sociais), a emergência de técnicas de análise automatizada de conteúdos e de ambientes de visualização, a computação na nuvem, etc., veio contribuir para uma revolução que nos trouxe possibilidades quase ilimitadas para a criação, a análise e a disseminação de conhecimento. As Humanidades Digitais visam ajudar a interpretar o impacto cultural e social desta nova realidade, responder às questões históricas e filológicas que daí emergem.

Continuar a ler “Combata o isolamento, leia livros”

Almamater

Almamater Biblioteca Digital de Fundo Antigo da Universidade de Coimbra
Almamater Biblioteca Digital de Fundo Antigo da Universidade de Coimbra

Alma Mater é a biblioteca digital do fundo antigo da Universidade de Coimbra, constituído, maioritariamente por obras anteriores a 1940, os trabalhos preparatórios para a sua construção foram iniciados em 2006. Em 2014, possuía “[…] 5595 obras digitalizadas, que correspondem a 1.250.577 imagens” (Miguéis & Fiolhais, 2014, p. 241)1. Nem o projeto, nem a Universidade disponibilizam dados estatísticos atualizados. […]

Continuar a ler “Almamater”

  1. Miguéis, A., & Fiolhais, C. (2014). Recursos digitais em livre acesso na Universidade de Coimbra: Estudo Geral e Alma Mater. Revista Reciis, 8(2), 231–242. http://doi.org/10.3395/reciis.v8i2.937.pt []

Perplexidade da tragédia na era digital

Poucos instantes depois do incendeio deflagrar na Catedral de Notre-Dame a Web foi invadida pelas imagens das chamas e pelos relatos que as acompanhavam, nas redes sociais, nos blogues, nos sites de noticias, um pouco por todo o lado. Repetiram-se à exaustão as mesmas imagens e, por vezes, os mesmos textos. Até parece que o direito de autor não existe, pois, na grande maioria dos casos, não há qualquer referência ao autor da imagem ou do texto, o que é um mau princípio. Defendo que o autor deve ser sempre referido, citado, enunciado: “o seu a seu dono”. Uma das excepções é o blogue português a.muse.arte que no post “Notre-Dame de Paris no rescaldo das chamas: da história à reconstrução” identifica os autores dos textos e das imagens. Os metadados também são muito descurados.

Continuar a ler “Perplexidade da tragédia na era digital”

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search