Lisboa antes do terramoto de 1755

lix_terramoto_cabecalho

 

 

Está disponível para o público em geral e para os professores em particular os modelos 3D do projeto Lisboa antes do terramoto de 1755. Podem ser agora vistos de forma gratuita num mundo virtual compatível com uma aplicação de visionamento de Second Life® em http://www.kitely.com/virtual-world/Jeff-Bush/Lisbon-1755.

Este projecto foi desenvolvido Centro de História da Arte e Investigação Artística (CHAIA) da Universidade de Évora, e conta com a parceria da empresa Beta Technologies, usando a tecnologia do ambiente virtual Kitely, desde 2010.

A Galeria Real, local de embarque e desembarque do rei e da sua comitiva para o Palácio da Ribeira. À direita vê-se o Torreão poente do Terreiro do Paço e à esquerda uma parte do edifício da Ópera do Tejo. Entre as duas construções, sobressai a Torre Canevari ou Torre do Relógio.

A Galeria Real, local de embarque e desembarque do rei e da sua comitiva para o Palácio da Ribeira. À direita vê-se o Torreão poente do Terreiro do Paço e à esquerda uma parte do edifício da Ópera do Tejo. Entre as duas construções, sobressai a Torre Canevari ou Torre do Relógio.

Na fase actual do projeto foi recriado o exterior do conjunto do antigo Paço da Ribeira que inclui, para além do Palácio da Ribeira, a Rua da Capela, a Praça da Patriarcal, a Torre do Relógio, a Casa da Ópera e o espaço confinante da Ribeira das Naus.

 

 

 

O projeto não está acabado, irão ser inseridos componentes áudio e animação, com a introdução de sons citadinos setecentista, e a reconstituição de espectáculos de ópera, touradas, procissões e outros eventos de destaque no quotidiano da Lisboa da primeira metade do século XVIII.

http://vimeo.com/17044721

Nas humanidades digitais este tipo de projeto tem tido algum sucesso. Infelizmente não existe uma política de preservação e de persistência da informação. Enquanto à financiamento o trabalho está disponível, depois deixa simplesmente de existir ou seja de estar acessível em linha, como foi o caso de Rome Reborn: a digital modelo of ancient Rome.  Outro problema associado, tanto aos projetos de 3D como aos de webmaping, é a falta de disponibilização da informação recolhida, das fontes utilizadas, na construção dos modelos.

Biblioteca digital da medicina tradicional mexicana

Biblioteca digital de la medicina tradicional mexicana

 

A biblioteca digital da medicina tradicional mexicana, tem por base a edição impressa da Biblioteca de la Medicina Tradicional Mexicana elaborada pelo Instituto Nacional Indigenista (INI) entre 1990 a 1994, e foi realizada pela Universidad Nacional Autónoma de México.

Está dividida em quatro secções:

– O Diccionario Enciclopédico de la Medicina Tradicional Mexicana, onde temos os termos por ordem alfabética

– A Medicina Tradicional de los Pueblos Indígenas de México,  o acesso é feito através de uma lista alfabética ou através da localização geográfica no mapa interativo

– O Atlas de las Plantas de la Medicina Tradicional Mexicana, consulta-se por ordem alfabética

Também está disponível a lista dos povoados indígenas.

Nos vários casos acedemos a informação de carater monográfico ou mesmo aos desenhos das plantas

GeoHumanities SIG

GeoHumanities Special Interest Group - ADHO

 

GeoHumanities

Os objetivos do GeoHumanities SIG é criar um ponto de reunião do conhecimento e das boas práticas para as ferramentas digitais existentes, promover o desenvolvimento colaborativo e as novas ferramentas e  programas. Para o efeito, foram criados um site web (www.geohumanities.org), uma conta no twitter (@ GeoHum_SIG). Para se manter informado suscreva a lista em http://lists.lists.digitalhumanities.org/mailman/listinfo/geohumsig

Pode consultar uma cópia da proposta aprovada pelo comité da ADHO em http://geohumanities.org/docs/GeoHumanitiesSIG_4Aug13.pdf 

Succeed

Succeed

Um blogue a seguir para quem se interessa por digitalização em massa de documentos, com especial atenção aos conteúdos textuais.

“Succeed is a support action funded by the European Union. It promotes the take up and validation of research results in mass digitisation, with a focus on textual content”

Podem também acompanhar em @SucceedEU

Todos os protestos desde 1979 num único mapa – ou quase

Todos os protestos desde 1979 num único mapa – ou quase

Notícia do jornal Público de 01-09-2013

No mapa mundi vão surgindo pontos de luz correspondentes às manifestações noticiadas em determinado ano (entre Janeiro de 1979 a Junho de 2013).

Este mapa foi construído a partir da “Global Database of Events, Language, and Tone (GDELT) – ou seja, a Base de Dados Global de Acontecimentos, Linguagem e Tom –, para desenvolver um mapa que fizesse uma súmula visual de como as manifestações se espalharam pelo planeta ao longo do tempo.”
As fontes utilizadas foram as notícias provenientes dos seguintes jornais:
AfricaNews, Agence France Presse, Associated Press Online, Associated Press Worldstream, BBC Monitoring, Christian Science Monitor, Facts on File, Foreign Broadcast Information Service, United Press International, e Washington Post. Também foram incluídos dados nacionais e internacionais do New York Times, as notícias da Associated Press, do Google News. Utilizou o programa cartodb  para realizar a animação.
O autor foi John Beieler é um estudante de doutoramento na Universidade Estadual da Pensilvânia, EUA, que detalha a realização do mapa no post de 19 de Agosto Week of Egyptian Protests.
John Beieler
Twitter: @johnb30
Blogue: http://johnbeieler.org/

Biblioteca Digital Mundial – World Digital Library (WDL)

Biblioteca Digital Mundial - World Digital Library

Biblioteca Digital Mundial (BDM)  é um projeto conjunto entre a Biblioteca do Congresso americano e a UNESCO  em parceria com mais cento e setenta e três organizações (vd. http://www.wdl.org/pt/partners/).

Os principais objetivos são

– Promover a compreensão internacional e intercultural;

– Expandir o volume e a variedade de conteúdo cultural na Internet;

– Fornecer recursos para educadores, acadêmicos e o público em geral;

– Desenvolver capacidades em instituições parceiras, a fim de reduzir a lacuna digital dentro dos e entre os países.

A BDM disponibiliza em linha desde abril de 2009, gratuitamente, e em sete línguas: português, francês, inglês, espanhol, russo, chinês e árabe, os conteúdos cedidos pelos vários parceiros.

O acesso às obras é realizado através da navegação em: lugar, período, tópico, tipo de item ou instituição.

O lugar é o sítio sobre o qual a obra trata; o período refere a data da obra representada; o tópico permite a navegação através do assunto; tipo de item associa as obras por tipologia de original e a instituição agrupa as obras cedidas por cada uma das instituições.

A pesquisa e a navegação são realizadas através dos registos bibliográficos e da metacodificação associada, traduzida nas sete línguas.

Para a classificação por assunto, a BDM utiliza o Sistema de Classificação Decimal Dewey, que foi disponibilizado pela Online Computer Library Center (OCLC) nos sete idiomas da interface.

O sítio eletrónico da Biblioteca Digital Mundial é hospedado na Biblioteca do Congresso dos EUA. Uma equipe com base na Biblioteca do Congresso mantém o sítio.

Perseus Digital Library

perseus_digital_lib

o projeto Perseus Digital Library, iniciado em 1985, através da colaboração entre universidades europeias e americanas (Tufts University, Furman University, Imperial College, University of Massachusetts, Amherst, University of Missouri at Kansas City e College of the Holy Cross), constituindo um exemplo de projeto colaborativo, congregando variadas instituições e de diferentes nacionalidades.

Em desenvolvimento durante vinte e sete anos, ainda não se encontra terminado, dada a dimensão do objeto de estudo a que se propôs. No entanto, já disponibiliza um vasto corpus de textos clássicos, em latim e em grego, com a respetiva tradução para inglês; mais recentemente, começou a disponibilizar fontes noutras línguas, como o árabe e o alemão, entre outras.

O Perseus ajudou a definir um conjunto de boas práticas aplicáveis a outros projetos idênticos. Constitui um conjunto de informação legível pelo humano, mas também possui outros dados processados de forma automática por meios informáticos, como sejam a ligação a catálogos, a artigos de enciclopédia e a outra informação estruturada, os quais, ao serem analisados podem produzir novos conhecimentos através das ligações sugeridas. Além disso, o projeto permite a referenciação geográfica dos locais mencionados nos textos.

Todas as operações são executadas de forma amigável e óbvia para o utilizador, o que o habilita como um dos projetos mais completos e exemplares no âmbito de digital humanities. “The rise of huge collections and new analytical methods is certainly important because it can provide new tools with which scholars can see what later ages had to say about Greek and Latin sources” (CRANE et al., 2010). Além disso, este projeto desenvolveu um conjunto significativo de competências adicionais, como a estruturação do conhecimento através de marcadores (tag), o multilinguismo, a aplicação extensiva do TEI-compliant XML (Text Encoding Initiative – compliant Extensible Markup Language), a otimização dos algoritmos de pesquisa e de reconhecimento de carateres (OCR), etc. (BAMMAN et al., 2010).

Foi anunciada em junho deste ano versão 1.0 do catálogo, optimizando a pesquisa no acervo.

CRANE, Gregory, et al. “What Did We Do With a Million Books? Rediscovering the Greco-Ancient World and Reinventing the Humanities.” White Paper submitted to the National Endowment for the Humanities Office of Digital Humanities. Available from Tufts Digital Library, Digital Collections and Archives, [Em linha]. Medford, MA. 2010 [Consult. 20 de setembro 2012]. Disponível em www:  http://hdl.handle.net/10427/75558

BAMMAN, David e BABEU, Alison e CRANE, Gregory. “Transferring Structural Markup Across Translations Using Multilingual Alignment and Projection”. [Em linha]. 2010 [Consult. 20 de setembro 2012]. Disponível em www: http://dl.tufts.edu/catalog/tufts:PB.001.002.00007 

Representação visual de dados complexos

A representação visual de dados complexos (webmapping), que conjuga a análise do espaço e do tempo, a referenciação geográfica (GIS) e os indicadores estatísticos, tanto para redes fixas como para móveis, constitui uma das linhas mais ativas de investigação e aquela que provoca maior impacto. Estes desenvolvimentos cruzam os interesses de disciplinas como a história, geografia, a estatística e computação. Um dos projetos que segue esta linha é The Spatial History Project da Universidade de Stanford

holocausto_1        holocausto_2

Como exemplo das suas potencialidades, pode referir-se a linha de investigação seguida no Holocaust Geographies, que permite visualizar, de forma dinâmica, os dados referentes à prisão de judeus italianos entre 1943 e 1945. Os dados apresentados são: número de pessoas detidas, idades, sexo, nacionalidade de quem os prendeu, localidades onde foram detidos, distância do local onde foram detidos à residência e a percentagem de falecidos. Os dados são interatuantes: a informação principal aparece sobre o mapa de Itália de forma gráfica (círculos com área proporcional ao número de prisioneiros) e os valores no canto inferior direito correspondem à localidade sobre a qual se encontra o cursor comandado pelo utilizador. No gráfico do canto superior direito é possível visualizar a totalidade das detenções por localidade. Este é um exemplo de uma fonte credível de informação, devidamente referenciada e muito apelativa para o ensino. Foi construído, num modelo de projeto colaborativo, por uma equipa multidisciplinar, constituída por historiadores, linguistas, geógrafos, especialistas na representação espacial de dados e em multimédia.

Este projeto é “a humble and modest – and expensive –  attempt to do history in a different way” (WHITE, 2010).  A sua complexidade deriva do facto de realizar uma representação simultânea do espaço e do tempo, com associação aos eventos relacionados, ao mesmo tempo que integra a informação de arquivo e permite a respetiva visualização de forma muito clara e acessível (SHNAYDER, 2010). Porém, só é possível visualizar os dados no ecrã, uma vez que a aplicação não permite a extração dos dados em modo texto ou em imagem.

SHNAYDER, Evgenia. “A Data Model for Spatial History” [Em linha]. (November). 2010. [Consult. 20 de setembro 2012]. Disponível em www:  http://www.stanford.edu/group/spatialhistory/cgi-bin/site/pub.php?id=23 .

WHITE, Richard. “What Is Spatial History?” [Em linha]. (February): 1–6. 2010. [Consult. 20 de setembro 2012]. Disponível em www:  http://www.stanford.edu/group/spatialhistory/cgi-bin/site/pub.php?id=29.