Património Textual e Humanidades Digitais: da antiga à nova Filologia

Património Textual e Humanidades Digitais: da antiga à nova Filologia

 

 

Maria Filomena Gonçalves e Ana Paula Banza (coord.), Património Textual e Humanidades Digitais: da antiga à nova Filologia, Évora: CIDEHUS, 2013.

ISBN: 978-989-95669-7-2

Citado o colega Daniel Alves “Uma introdução compacta, muito clara e informada sobre as Humanidades Digitais e o seu impacto nos estudos sobre a língua portuguesa.”

Disponível em: http://dspace.uevora.pt/rdpc/handle/10174/10468

Resumo: Este livro reúne textos de especialistas em Filologia, História do Livro, Computação e Humanidades Digitais com o objectivo de trazer novas contribuições acerca das relações, cada vez mais estreitas, entre a Filologia e o meio digital.

Índice

In Limine, p. 3
Arnaldo do Espírito Santo – O Viridarium de Francisco de Mendoça, S.J.
Apresentação de uma obra injustamente esquecida, p. 11
Francisco A. Lourenço Vaz – A importância histórica dos manuscritos da Biblioteca de Évora – O Exemplo da Correspondência de Frei Manuel do Cenáculo, p. 25
João Paulo Silvestre – A Prosódia manuscrita da Biblioteca Pública de Évora (BPECXIII-2-26): um elo perdido da tradição lexicográfica portuguesa, p. 57
Maria Filomena Gonçalves & Ana Paula Banza – Fontes de metalinguísticas para a história do português clássico – O caso das Reflexões sobre a Lingua Portugueza, p. 73
Maria Clara Paixão de Sousa – A Filologia Digital em Língua Portuguesa: alguns caminhos, p. 113
Paulo Quaresma – Análise linguística de documentos da BPE: uma abordagem informática, p. 139
Manuel Raaf – Easily annotating manuscripts online: a Web-Application for linking images to texts, p. 157
Nota biográfica dos autores, p. 174

 

What if we do, in fact, know best?: A Response to the OCLC Report on DH and Research Libraries

O relatório da OCLC  está a registar alguma polémica. Os bibliotecários americanos sentem-se atingidos no seu profissionalismo. Em resposta foram colocados três post “What if we do, in fact, know best?: A Response to the OCLC Report on DH and Research Libraries“,  “RECOMMENDED: Asking For It” e “RESOURCE: Does Every Research Library Need a Digital Humanities Center? An OCLC Research Report“.

Para ler e reflectir!

Guide to Creative Commons for Humanities and Social Science Monograph

Priego, Ernesto; Collins, Hellen; Milloy, Caren; Stone, Graham; Eve, Martin; Baker, James (2014): Guide to Creative Commons for Humanities and Social Science Monograph Authors (OAPENUK 2013). figshare
http://dx.doi.org/10.6084/m9.figshare.928467

Desenvolvido pela equipa  OAPEN-UK: Ellen Collins, Caren Milloy e Graham Stone e editado por James Baker, Martin Paul Eve e Ernesto Priego.
Este guia explora preocupações pelos pesquisadores, sociedades científicas e editores  que trabalham com o projeto OAPEN no Reino Unido. O guia foi editado por pesquisadores ativos, para se certificar de que ele é relevante e útil para académicos confrontados com a tomada de decisões sobre a publicação. Este guia é baseado em licenças Creative Commons, e não sobre o acesso aberto em geral. 

Does Every Research Library Need a Digital Humanities Center?

oclc

 

Schaffner, Jennifer and Ricky Erway. 2014. Does Every Research Library Need a Digital Humanities Center? Dublin, Ohio: OCLC Research.http://www.oclc.org/content/dam/research/publications/library/2014/oclcresearch-digital-humanities-center-2014.pdf.

Artigo de autoria de  Jennifer Schaffner e Ricky Erway, investigadoras da OCLC,  foi publicado na na página da OCLC (Online Computer Library Center, Inc.). Neste artigo advoga a necessidade de criação de algumas competências na área das humanidades digitais, junto das bibliotecas, explicitando os vários tipos de apoio a disponibilizar.

Os centro de humanidades digitais tornam-se mais necessários nas bibliotecas especializadas, apesar de reconhecer que a maioria dos bibliotecários não possui as competências técnicas necessárias ao investigador de humanidades digitais e que é necessário um grande esforço económico. As humanidades digitais receberiam um contributo muito positivo com a associação às bibliotecas.

A pesquisa de fontes, a sua disponibilização em presença ou em linha de forma adequada tanto para as obras como para os investigadores é parte integrante das competências do bibliotecário. Assim como a preservação dos conteúdos nados digitais e a disseminação dos produtos realizados.

A metacodificação é outro campo onde a cooperação entre os investigadores e a biblioteca pode ser realizada.

Pode até não se justificar a criação de um centro, mas é imprescindível a colaboração entre a biblioteca e os investigadores das humanidades digitais, conduzindo a projetos coerentes, normalizados e persistentes.

 

 

 

Debates in the Digital Humanities – custom-built social reading platform

Debates in the Digital Humanities

Gold, M. K. (2012). Debates in the digital humanities. Minneapolis: Univ Of Minnesota Press.

A obra Debates in the digital humanities (Gold 2012), como o título sugere, é uma compilação de artigos de especialistas na área. São enunciadas as teorias, os métodos e as práticas aplicadas ao digital humanities, bem como as perspectivas futuras que se antevêem. A obra, com um total de vinte e nove artigos, divide-se em seis partes: definições; teorização; crítica; prática; ensino; perspectivas para o futuro.

Está disponível em acesso aberto em http://dhdebates.gc.cuny.edu/. Além dos artigos da versão em papel, temos acesso, mediante registo, à versão digital. Na versão digital existe alguma interacção com o texto permitindo ver quais as passagens mais destacadas e os respectivos comentários, tornando-se numa plataforma de leitura colaborativa.

 

A 3-Step Introduction to Digital Humanities for Library Dwellers

Foi publicado no blogue hack library school o artigo A 3-Step Introduction to Digital Humanities for Library-Dwellers

Como o título indica fazem uma abordagem às humanidades digitais em 3 passos.

No primeiro passo temos a definição do termos “humanidades digitais”, consideram que é um termo abrangente e colaborativo com múltiplas áreas dentro das humanidades onde se deve de incluir a biblioteconomia. No segundo passo as práticas das humanidades digitais podem produzir resultados interessantes nas bibliotecas e que em nada chocam com a biblioteconomia tradicional. No terceiro passo apelam a ver tudo o que se vai fazendo pelo mundo, que ferramentas existem, aconselha como sítios a visitar:

 

 

 

Digital humanities in practice

Dhinpractice

 

Warwick, Claire, Melissa M. Terras, and Julianne Nyhan. 2012. Digital humanities in practice. London: Facet Publishing in association with UCL Centre for Digital Humanities.

Disponível em: http://blogs.ucl.ac.uk/dh-in-practice/

Digital Humanities in Practice, edited by Claire WarwickMelissa Terras, and Julianne Nyhan, is a cutting-edge and comprehensive introduction to the scope of the discipline and provides a wide-ranging insight into emerging topics and avenues of research. Published in November 2011, chapter summaries and case studies are available for each chapter.

The book discusses work that is being carried out at, or that involves members of the UCL Centre for Digital Humanities. We also blog about our work and tweet at @ucldh.

Chapter Summaries
Chapter 1: Studying users in digital humanities, Claire Warwick

Chapter 2: Social media for digital humanities and community engagement, Claire Ross

Chapter 3: Digitization and digital resources in the humanities, Melissa Terras

Chapter 4: Image processing in the digital humanities, Melissa Terras

Chapter 5: 3D recording and museums, Stuart Robson, Sally MacDonald, Graeme Were and Mona Hess

Chapter 6: Text encoding and scholarly digital editions, Julianne Nyhan

Chapter 7: Historical bibliography in the digital world, Anne Welsh

Chapter 8: Open access and online teaching materials for digital humanities, Simon Mahony, Ulrich Tiedau and Irish Sirmons

Chapter 9: Institutional models for digital humanities, Claire Warwick

Defining digital humanities: a reader

defining_digital_humanities

Terras, Melissa M., Julianne Nyhan, and Edward Vanhoutte. 2013. Defining digital humanities: a reader.

Obra publicada em novembro de 2013. Encontra-se parcialmente disponível em linha em http://blogs.ucl.ac.uk/definingdh/

A obra é composta por quatro secções: section I Humanities Computing, section II Digital Humanities, section III From the Blogosphere, section IV Voices from the Community e section V Further Materials. Alguns artigos só estão disponíveis mediante pagamento.

A capa da obra é particularmente significativa, pois liga a decoração da letra D manuscrita, a uma porta lógica com portas OU e E (operações OR e AND) que completa o desenho da letra. O desenho da letra D é uma composição do analógico (antigo, manual) com o digital (circuitos lógicos a base da computação).

Conteúdos

Acknowledgements ix
Notes on Contributors xi

Julianne Nyhan, Melissa Terras and Edward Vanhoutte – Introduction – 1

Section I Humanities Computing
Geoffrey Rockwell – Is humanities Computing an Academic Discipline? – 13
John Unsworth – What is Humanities Computing and What is Not? – 35
Jerome McGann – Information Technology and the Troubled Humanities – 49
Melissa Terras – Disciplined: Using Educational Studies to Analyse ‘Humanities Computing’– 67
Willard McCarty – Tree, Turf, Centre, Archipelago – or Wild Acre? Metaphors and Stories for Humanities Computing – 97
Edward Vanhoutte – The Gates of Hell: History and Definition of Digital | Humanities | Computing – 119

Section II Digital Humanities
Patrik Svensson – Humanities Computing as Digital Humanities – 159
Wendell Piez – Something Called Digital Humanities – 187
Matthew G. Kirschenbaum – What is Digital Humanities and What’s it Doing in English Departments? – 195
Julia Flanders – The Productive Unease of 21st-century Digital Scholarship – 205
Paul Rosenbloom – Towards a Conceptual Framework for the Digital Humanities – 219

Section III From the Blogosphere
Lincoln Mullen – Digital Humanities is a Spectrum, or ‘We’re All Digital Humanists Now’ – 237
Stephen Ramsay – Who’s In and Who’s Out – 239
Stephen Ramsay – On Building – 243
Geoffrey Rockwell – Inclusion in the Digital Humanities – 247
Mark Sample – The Digital Humanities is not About Building, it’s about Sharing – 255
Chris Forster – I’m Chris, Where Am I Wrong? – 259
Melissa Terras – Peering Inside the Big Tent – 263
Bethany Nowviskie – ADHO, On Love and Money – 271

Section IV Voices from the Community
Selected Definitions from the Day of Digital Humanities 2009–2012 – 279
Fred Gibbs – Digital Humanities Definitions by Type – 289

Section V Further Materials
Further Reading – 301
Questions for Discussion – 305
Index – 307

 

DASISH Newsletter: Special Issue 3, Nov. 2013

Newsletter – DASISH

 

DASISH Newsletter: Special Issue 3, Nov. 2013

Relatório acerca da preservação digital, foram analisados os seguintes serviços:

– UK Data Archive (UKDA)
–  Norwegian Social Science Data Services (NSD)
–  GESIS Data Archive (GESIS)
–  Data Archiving and Networked Services (DANS)
–  The Language Archive (TLA)
–  European Social Survey (ESS)
–  Survey of Health, Ageing and Retirement in Europe (SHARE)
–  Figshare
–  Flickr
–  Dropbox
–  Youtube

Procurando dar resposta à questão serão os serviços fidedignos? Na actualidade não podemos garantir a preservação a 100%. No entanto sugerem várias recomendações, como a criação de politicas de armazenamento claras e a sua aplicação.

Pode consultar o relatório completo em: http://dasish.eu/publications/projectreports/D4.2_-_Report_about_Preservation_Service_Offers.pdf/