Perplexidade da tragédia na era digital

Poucos instantes depois do incendeio deflagrar na Catedral de Notre-Dame a Web foi invadida pelas imagens das chamas e pelos relatos que as acompanhavam, nas redes sociais, nos blogues, nos sites de noticias, um pouco por todo o lado. Repetiram-se à exaustão as mesmas imagens e, por vezes, os mesmos textos. Até parece que o direito de autor não existe, pois, na grande maioria dos casos, não há qualquer referência ao autor da imagem ou do texto, o que é um mau princípio. Defendo que o autor deve ser sempre referido, citado, enunciado: “o seu a seu dono”. Uma das excepções é o blogue português a.muse.arte que no post “Notre-Dame de Paris no rescaldo das chamas: da história à reconstrução” identifica os autores dos textos e das imagens. Os metadados também são muito descurados.

Continuar a ler