Bibliotecas digitais: do crer ao fazer

A Biblioteca digital pode-se definir como:

“A focused collection of digital objects, including text, video, and audio, along with methods for access and retrieval, and for selection, organization, and maintenance of the collection.”1.

 

  • Conjunto de documentos, imagens, sons, textos, vídeos – nados digitais ou digitalizados – colocados em linha na Web, devidamente organizados e estruturados, usando as novas tecnologias no acesso e na recuperação da informação2.

A UNESCO aprovou, na 36ª Conferência Geral (de 25 de outubro a 10 de novembro de 2011, em Paris), o Manifesto da IFLA/UNESCO sobre as bibliotecas digitais. Neste texto, define-se que a biblioteca digital tem de ser constituída de acordo com as normas internacionais, ser persistente no tempo e manter os conteúdos devidamente organizados e estruturados, usando as novas tecnologias no acesso e na recuperação da informação. As bibliotecas digitais têm a missão de fornecer o acesso direto à informação.

“Una biblioteca digital es una colección en línea de objetos digitales de buena calidad, creados o recopilados y administrados de conformidad con principios aceptados en el plano internacional para la creación de colecciones, y que se ponen a disposición de manera coherente y perdurable y con el respaldo de los servicios necesarios para que los usuarios puedan encontrar y utilizar esos recursos. La misión de las bibliotecas digitales consiste en proporcionar acceso directo a recursos informativos, digitales y no digitales, de manera estructurada y fiable, para de esa manera vincular la tecnología de la información, la educación y la cultura en las bibliotecas actuales”3

  • A Biblioteca digital possui algumas vantagens face à sua congénere tradicional (brick and mortar)4
    • Aumento da visibilidade das coleções (acesso/difusão)
    • Funciona sem horário
    • Permite o acesso à distância
    • Permite o acesso direto às obras
    • Permite o acesso simultâneo de vários utilizadores
    • Pode facilitar o acesso a pessoas com deficiência
    • Contribui para a preservação física dos documentos
    • Exige pouco espaço de armazenamento
    • Premite a utilização de documentos “originais” no contexto de sala de aula

A criação de uma biblioteca digital exige uma planificação antecipada. Ainda antes de pensar nas obras a digitalizar, ou no modo de o fazer, deve caraterizar-se a biblioteca/serviço, qual a sua missão e objetivos, identificar os recursos humanos disponíveis e respetivas competências e fazer o levantamento do equipamento existente ou a adquirir. Ou seja, é necessário fazer uma caraterização, o mais completa possível, quer da biblioteca, quer dos serviços e do pessoal envolvido. Isto implica ponderar se a instituição tem meios prosseguir na elaboração de um projeto de digitalização, partindo do princípio que este não vai ser uma tarefa excecional, mas mais uma rotina adicional a implementar5.6

2016-06-01_BibDigitais_DG

Uma biblioteca digital é muito mais do que aquilo que se vê. Podemos compara-la a um iceberg, os leitores só se apercebem do topo que emerge fora das águas. No entanto há todo um outro trabalho submerso. Para criar, gerir e manter uma biblioteca digital temos que definir as politicas de digitalização e de encadernação digital, incluindo os metadados a associar, definir o modelo dos objetos digitais, e as normas de preservação digital.

Uma biblioteca digital é um projeto em evolução e crescimento.

Cite this article as: Guerreiro, Dália, "Bibliotecas digitais: do crer ao fazer," in Bibliotecas e humanidades digitais , 26/06/2016, http://bdh.hypotheses.org/1584.

 

 

 

  1. Witten, I. H., Bainbridge, D., & Nichols, D. M. (2009). How to Build a Digital Library (2 th). Burlington, MA 01803, USA: Morgan Kaufmann []
  2. A associação de ficheiros digitais, normalmente PDF, à ficha bibliográfica do objeto digital não constitui uma biblioteca digital, pois essa informação não se encontra organizada nem estruturada []
  3. IFLA, & UNESCO. (2010). IFLA/UNESCO Manifesto for Digital Libraries. Manifesto Endorsed by the 36th Session of the General Conferences of UNESCO, 1–4. Retrieved from []
  4. trad. livre pedra e cal []
  5. Sitts, M. (Ed.). (2000). Handbook for digital projects: a management tool for preservation and access. Andover Mass.: Northeast Document Conservation Center []
  6. Vd. Guerreiro, D. M. G. (2016). Bibliotecas digitais: divulgação e preservação. Cidade Solidária, (35), 130–137. Disponível em: academia.edu []

Bibliotecas Digitais e conhecimento científico – Workshop

News

Apresentação

As bibliotecas e os respetivos acervos foram essenciais para o desenvolvimento da Humanidade ao longo da história, assumindo-se como guardiões da memória e do conhecimento. Os avanços da Web e o desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação nas últimas décadas transformaram substancialmente o modo como a informação passou a ser produzida, acedida e recuperada. Neste cenário as bibliotecas digitais têm assumido particular relevância, ampliando a sua função de custódia ao mundo digital e desenvolvendo o seu tradicional papel de organização e disponibilização da informação em novos meios.

As bibliotecas digitais apresentam-se com múltiplas facetas, desde as que são constituídas sobretudo por documentos digitalizados, aos repositórios com a produção cientifica das instituições, passando pelas grandes bases de dados comerciais com a produção cientifica atualizada e certificada. Todas possuem características especificas e problemáticas próprias, mas têm em comum o propósito de contribuir para divulgar o conhecimento cientifico e com isso melhorar o ensino e a investigação.

Temáticas tão dispares como a normalização, a propriedade intelectual, a preservação digital, o acesso à informação, a reutilização da informação ou a literacia digital são hoje em dia centrais no debate sobre as características e o impacto das bibliotecas digitais. Temas que abordaremos neste workshop, discutindo:

O que é uma biblioteca digital?

Como se podem construir?

Como se utilizam?

Como se podem melhorar?

Para isso contamos com o contributo de todos, dos curiosos aos utilizadores experientes, dos alunos aos investigadores e docentes. Conhecer melhor as bibliotecas do futuro é essencial para o desenvolvimento e aprofundamento do ensino e da investigação do presente.

Organizado por: Dália Guerreiro, Maria Cristina Guardado, Helena Barbas, Thiago Cunha e Daniel Alves

Programa
Data: 1 de Junho de 2016
Local: Sala Multiusos 2, 4º piso do I&D, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas – UNL

10:00-10:30
Abertura
Daniel Alves, IHC, FCSH, Universidade Nova de Lisboa
10:30-11:00
Biblioteca Nacional digital e casos práticos de reutilização da informação
digitalizada [apresentação]
Margarida Lopes, Biblioteca Nacional de Portugal
11:00-11:30
Normas e boas práticas [apresentação]
Dália Guerreiro, CIDEHUS-UE/FCT, Universidade de Évora
11:30-12:00
Acesso e recuperação de informação [apresentação]
Thiago Cunha, FCSH, Universidade Nova de Lisboa

12:00-14:00 Almoço

14:00-14:30
Literacia digital [apresentação, materiais complementares]
Helena Barbas, CICS.NOVA, FCSH, Universidade Nova de Lisboa
14:30-15:00
Acesso aberto
Cristina Guardado, IHC, Universidade Nova de Lisboa e ESTGA, Universidade de
Aveiro
15:00-15:30
Propriedade intelectual
Maria Manuel Borges, FLUC, Universidade de Coimbra
15:30-17:00
Debate e resposta a questões com todos os intervenientes

ihc_DA
CIDEHUS
CIDEHUS – UID/HIS/00057/2013 (POCI-01-0145-FEDER-007702)

Fotos do evento

Cite this article as: Guerreiro, Dália, "Bibliotecas Digitais e conhecimento científico – Workshop," in Bibliotecas e humanidades digitais , 10/05/2016, http://bdh.hypotheses.org/1557.

A estratégia da sauna filandesa (trad.) #DayofDH 2016

A estratégia da sauna finlandesa
As fronteiras das Humanidades Digitais: Ensaio de geografia política de uma comunidade científica.

Versão portuguesa: La estrategia de la sauna finlandesa
Por Marin Dacos, 1 jun. 2013
https://bn.hypotheses.org/11138

Traduzido por:
Dália Guerreiro
Maria Isabel

Resumo

Fala-se de Humanidades Digitais! Mas será que as Humanidades Digitais existem como comunidade unida e coerente? O governo desta comunidade é equilibrado e democrático? Até agora, ainda não tinha havido um estudo acerca desta comunidade, sustentado por um inquérito que abrangesse todos os seus membros, numa perspetiva multilinguística e geográfica. O inquérito “Who are you, Digital Humanists?” – lançado no THATCamp Luxemburgo (2012), e divulgado durante o DH2012, Hambourg – permitiu juntar uma amostra incompleta, ainda que significativa, de 850 indivíduos que aceitaram responder ao nosso questionário. Constatou-se, por um lado, uma grande diversidade linguística e geográfica, tendo havido um grupo de não participantes, por não terem visto o inquérito ou por não lhe terem prestado atenção, e, por outro lado, a exceção do inglês como primeira língua, a par da sua predominância como segunda língua. Revelou-se que as Humanidades Digitais estavam muito marcadas pela História e pelos estudos clássicos, mas muito pouco, realmente muito pouco, ligadas às disciplinas que se interessam pelo mundo contemporâneo, sejam as ciências da Web, ou as relacionadas com a mineração de dados e de textos. Descobriu-se também um evento de grande importância, o encontro Digital Humanities 2012, cujo tema era a diversidade cultural e que foi presidido pela Europa, América do Norte ou, mais precisamente, pelo Reino Unido e as sua ex-colónias (Irlanda, Canadá, Estados Unidos de América, Austrália). Diríamos que a anglofonia voltou a marcar pontos. A fim de medir os progressos da diversidade no âmago do poder da nossa comunidade, este artigo propõe a criação de um indicador, o Digital Humanities Decision Power (DHDP), para calcular a distância entre os grupos de Humanidades Digitais e medir as suas faculdades na peritagem e nos procedimentos de seleção científica. Com base neste indicador, seria necessário um debate coletivo para tornar a nossa comunidade mais aberta à diversidade linguística e geográfica. A isso, nós chamamos a estratégia da Sauna finlandesa.

Documento integral em PDF

Dia das Humanidades Digitais #DayofDH

índice-1O dia das Humanidades Digitais 2016, realiza-se a 8 de Abril.
A plataforma já está disponível http://dayofdh2016.linhd.es/.
Estão já inscritos 75 membros, apenas há dois membros portugueses:
Dália Guerreiro com o site Bibliotecas digitais e Humanidades Digitais.
Maria Isabel Roque com o site Museus e Humanidades Digitais.

 

 

A New Companion to Digital Humanities

1118680596A New Companion to Digital Humanities, 2nd Edition

ISBN: 978-1-118-68059-9
586 pages
January 2016, Wiley-Blackwel
Obra gentilmente cedida pela editora

 

O título desta obra induz em erro A New Companion to Digital Humanities, 2nd Edition. Esta monografia de 2016 é a primeira edição, mas em 2004 e 2008 foi publicada a obra A Companion to Digital Humanities  com os mesmos editores, daí que o presente volume é de facto uma segunda edição.
A temática é a mesma mas actualizada.

As obras A Companion to Digital Humanities1 e A New Companion to Digital Humanities, 2nd Edition, são essências para a compreensão do conceito de Humanidades Digitais, a evolução histórica e as problemáticas associadas2.

Continuar a ler

  1. A Companion to Digital Humanities, ed. Susan Schreibman, Ray Siemens, John Unsworth. Oxford: Blackwell, 2004. http://www.digitalhumanities.org/companion/ []
  2. Ver também a obra A Companion to Digital Literary Studies, ed. Susan Schreibman and Ray Siemens. Oxford: Blackwell, 2008. http://www.digitalhumanities.org/companionDLS/ []

Dia das Humanidades Digitais 2016 #DayofDH

índice-1

O dia das Humanidades Digitais 2016, realiza-se a 8 de Abril.

Tem como objectivo reunir os intervenientes a nível mundial. Para tal foi criada uma página web onde os interessados se devem registar, constituindo, no final, uma imagem dos investigadores conotados com as Humanidades Digitais. Todos eles devem responder à questão “O que é que um Humanista Digital realmente faz?”

Continuar a ler

3er Encuentro de Humanistas Digitales

 red-hd

Convocatoria para el envío de ponencias para el

3er Encuentro  de Humanistas Digitales

Fechas: 12 al 14 de septiembre 2016
Sede: El Colegio de México

Convocan:
Red de Humanidades Digitales (RedHD)
El Colegio de México
Universidad Nacional Autónoma de México (UNAM)

Temáticas del encuentro
  • Memoria, patrimonio y tecnología
  • Docencia y Humanidades Digitales. Pedagogía de las Humanidades Digitales. Uso y aplicaciones de cómputo para la enseñanza en las Humanidades.
  • Proyectos de recursos para las humanidades: por ejemplo, marcado de textos, museos digitales, ediciones críticas digitales y tecnologías avanzadas para las Humanidades y las Ciencias sociales.
  • Diseño, manejo y uso de recursos digitales para las Humanidades y las Ciencias Sociales. Repositorios, bibliotecas digitales, bases de datos, big data, linked open data, visualizaciones, etcétera.
  • Representación, igualdad de acceso, traducción, impacto, colaboración internacional y aprendizaje mutuo dentro del área de las Humanidades Digitales.
  • Las redes como herramientas de investigación en Humanidades y Ciencias Sociales.
  • Métodos de investigación digital, Ingeniería lingüística, literatura electrónica, Medias, transmedias, transversalidad de lo digital, teoría de videojuegos
  • Cambios en la comunicación y publicación académica en ambientes digitales. libros electrónicos, colecciones digitales,  revistas digitales, acceso abierto.
Esta lista no es restrictiva. Las propuestas de otras temáticas serán consideradas.
¿Cómo enviar propuestas?

Para enviar su propuesta debe crear una cuenta en EasyChair (en inglés). Una vez que su cuenta sea activada puede enviar la propuesta usando el sistema de EasyChair. Si tiene alguna pregunta, envíenos un mensaje a encuentrohd@gmail.com

La fecha límite para enviar propuestas es el 3 de abril del 2016.
Tipos de presentación:
  • Ponencias. Plática en forma tradicional con duración de  20 minutos, seguida por una breve sesión de preguntas y respuestas. Las ponencias se agruparán en mesas redondas de acuerdo con  las temáticas.
  • Posters/Demos. Las presentaciones en este formato póster pueden incluir cualquier trabajo o investigación en curso, presentaciones de proyectos o de software.
  • Panel. Los grupos de trabajo pueden proponer un panel temático con un mínimo de 3 ponencias y un máximo de 4 ponencias por panel.
Formato para las propuestas:

Para las participaciones se deberá enviar un resumen de máximo 1000 palabras e  indicar el tipo de participación (ponencia, póster, demo). Para los paneles se debe enviar un resumen general del panel de máximo 1000 palabras y una descripción de máximo 500 palabras por ponencia incluida en el panel.

Para todas las participaciones se debe indicar el nombre de los autores y sus adscripciones.

Fechas importantes

  • Fecha límite para el envío de propuestas: 3 de abril 2016
  • Fecha de notificación de resultados: 6 de mayo 2016
  • Registro: junio a agosto 2016
  • Evento: 12 al 14 de septiembre 2016