Códice Mendoza

O Códice Mendoza (ou Códice Mendocino ou Codex Mendoza) é um códice asteca colonial, datado de c.1541. É assim chamado porque foi encomendado pelo primeiro vice-rei da Nova Espanha, Antonio de Mendoza. Posterior à conquista do México, foi pintado por astecas, que usaram o formato pictórico e iconográfico antigo. Posteriormente foi adicionado o texto em castelhano. O códice é constituído por 71 folhas de papel europeu e divide-se em três partes:

Codex_Mendoza_folio_2r

Fl.2, Fundação de Tenochtitlan

1. Secção 1 (16 páginas), onde se narra a história oficial dos astecas de 1325 a 1521 (expansão territorial).

Codex_Mendoza_folio_20r

Fl. 20

2. Secção 2 (39 páginas), onde se mostram os altepetl (tributos) submetidos ao domínio asteca e suas tributações.

Codex_Mendoza_folio_67r

Fl.67

3. Secção 3 (16 páginas), onde se desenharam aspetos da vida quotidiana asteca1
Desde 1659, integra a Bodleian Library na Oxford University.2

O Instituto Nacional de Antropología e Historia do México disponibiliza uma versão digital do manuscrito. Esta versão foi realizada conjugando o trabalho de curadores, paleógrafos digitais, a Biblioteca de Bodleina, o King’s College London entre outros, ou seja juntou especialistas de várias áreas  das Humanidades e das tecnologias3

Na página do projecto estão devidamente enunciadas as normas paleográficas seguidas, as referências e a descrição do projecto.

O códice é apresentado numa página de fundo negro. Foi integralmente digitalizado (capa a capa) a 600ppp. A versão em linha não exibe as cunhas de cor.

Na página de entrada temos em cima, à esquerda, as secções, ao centro, o navegador de páginas, e à direita, a página em que nos encontramos com referência se é rosto ou verso.

01

 

 

 

 

Na lateral esquerda, acedemos à transcrição, hipermédia, materialidade e mapas e calendário.

02

A transcrição é mostrada sobre o texto original em três versões: espanhol, inglês e diplomática. Ainda podemos aceder ao conjunto das três em modo de texto.

03

 

04

A hipermédia destaca alguma iconografia e dá o seu significado, num pequeno texto sobre a imagem.

05

No texto sobre a imagem indica, outros documentos a que se pode aceder.

06

07

Na materialidade, podemos aumentar  a imagem e observar até o avergoado do papel.

08

Nos mapas e calendário, são mostrados mapas e estatística e temos acesso à informação do códice, mas estruturada de outra forma.

10

 

11

Fazendo o registo, podemos copiar todas as imagens em boa resolução e anotar o documento.

De entre os vários objectivos destacam-se:

“- Crear un recurso de investigación dentro del recurso digital, donde los usuarios puedan agregar, extraer y compartir información.
– Crear un antecedente para una política de repatriación virtual de documentos importantes para la nación mexicana.”

Saliente-se que este objectivos se cumprem.

Este modelo pode ser replicado para outras obras. No entanto, tem como factor menos positivo o facto de não mencionar o esquema de metadados utilizado. Seria muito interessante, a partir de todo o trabalho desenvolvido, fazer a codificação em TEI. Será seguramente o próximo passo.

 

 

 

  1. Adaptado de Wikipédia []
  2. MS. Arch. Selden A. 1 []
  3. Créditos []

1 thought on “Códice Mendoza

  1. Incrível registro da cultura asteca. Digitalizado, torna-se um novo código e implica uma nova leitura. Porém, ainda encontro semelhanças, pois são acervos da humanidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.