Greenstone

New Zealand Digital Library

Greenstone1

New Zealand Digital Library2O Greenstone é uma ferramenta (conjunto de programas) que visa a construção de repositórios digitais: “Greenstone is a comprehensive system for constructing and presenting collections of thousands or millions of documents, including texts, images, audio, and video” (WITTEN e BAINBRIDGE: 2003). Foi produzido e desenvolvido pela New Zealand Digital Library Project na University of Waikato e, actualmente, é distribuído, em cooperação, pela UNESCO e pela Human Info NGO, na Bélgica.

O projecto teve início em 1995 com a designação New Zealand Digital Library Project. Tinha, como principal objectivo, colocar em linha trabalhos de investigação no âmbito das ciências de computação, com pesquisa em texto integral.

Em 1997, passa a designar-se Greenstone[1], e os seus promotores iniciam uma nova política de desenvolvimento e gestão, optando pela disponibilização desta aplicação informática em open-source, emitida segundo os termos da licença General Public License (GNU). Em simultâneo, iniciava a cooperação com a Human Info NGO[2], com o objectivo de disponibilizar bibliotecas digitais para os países em vias de
desenvolvimento, o que se traduziu na publicação de um CD com conteúdos
humanitários, pesquisável em texto integral e operacional em Linux e Windows (à data, 3.1 e 3.11).

O sítio electrónico Greenstone foi disponibilizado em 1998 (V. Sítios institucionais: Greenstone).

Em 2000, o Greenstone começou a ser disponibilizado em linha através do sítio da SourceForge.

Em 2001, e em parceria com a UNESCO[3], surgiu o primeiro CD com o programa Greenstone, na versão 2.38 e apenas disponível em inglês; em 2007, foi editado o sétimo CD, já com a versão 2.80 e apresentando versões em inglês, francês, espanhol e russo, implementando a distribuição do produto nos países em vias de desenvolvimento.

A cooperação com a UNESCO fomentou a tradução do programa, dos respectivos manuais e da interface para as várias línguas. Além disso, ratificou os objectivos humanitários do projecto, determinando que este programa se desenvolvesse no sentido de corresponder às necessidades das comunidades mais carenciadas e assumindo que a compatibilidade entre as versões criadas seria um dos vectores fulcrais da sua actuação. Por todas estas razões, em 2004, foi-lhes atribuído o prémio Namur[4] pela International Federation for Information Processing (IFIP).

Mais recentemente, o Greenstone tem investido na área da interoperabilidade, estando habilitado a comunicar com os protocolos Z39.50, SRW, OAI-PMH, DSpace, e METS. Em 2003, encetou um vasto programa de acções de formação teórico-práticas, tendo em vista a divulgação e a implantação do produto nas mais variadas regiões do mundo (Cfr. WITTEN e BAINBRIDGE: 2007).

O Greenstone permite a constituição, a organização e a disponibilização de repositórios digitais em linha ou através de CD e pode correr em ambiente Windows ou em Unix (nas suas múltiplas conformações Linux, Sun Solaris, Macintosh, OS/X, etc.). Actualmente, a interface do leitor encontra-se disponível em trinta e cinco línguas.

O Greenstone 2 foi desenvolvido até à versão 2.81, utilizando como linguagem de programação o C++ e, actualmente, a versão 3.03 está na fase de testes. O Greenstone 3 está escrito em Java, encontra-se estruturado em módulos independentes que comunicam entre si através de XML e pode ser instalado em diferentes servidores, aumentando a flexibilidade.

A configuração de um repositório digital, ou de uma biblioteca digital, em sentido lato, faz-se através do módulo Greenstone Librarian Interface (GLI)

Nesta interface, estão predefinidos quatro conjuntos de metadados: DC, RFC 1807[5], New Zealand Government Locator Service (NZGLS) e Australian Government Locator Service (AGLS). Além disso, é possível definir outros conjuntos de metadados através  do Greenstone Metadados Set Editor, e metadados exteriores, como o MARC, o METS, ou outros, podem ser associados através de plugins.

O Greenstone permite associar ao repositório vários formatos de documentos, textuais ou multimédia, como os seguintes:

Documentos Formatos
Textuais PDF; PostScript; Word; RTF; HTML; texto simples; Látex; arquivos ZIP; Excel; PPT e E-mail
Multimédia Imagens (qualquer formato, incluindo GIF, JIF, JPEG, TIFF), audio MP3; Ogg Vorbis audio; MPEG e MIDI

Estes formatos são definidos de acordo com o documento original, mas o Greenstone permite realizar várias combinações, ou seja, exibir um documento num formato diferente do original (por exemplo, apresentar, em formato RTF ou PDF, uma imagem inicialmente em JPEG, embora, neste caso, se perca a funcionalidade de zoom).

A primeira fase da construção de um repositório digital consiste na definição dos conteúdos, ou das tipologias, a integrar, estabelecendo um modelo conceptual. “Digital libraries are libraries without walls. But they do need boundaries. The very notion of a collection implies a boundary: the fact that some things are in the collection means that others must be lie outside it.” (WITTEN e BAINBRIDGE: 2003, p. 7) A fase seguinte concretiza esse modelo, o que implica: a definição dos metadados e outra informação; a selecção dos formatos dos documentos a incluir; a predefinição dos termos ou campos de pesquisa; o desenho da interface para o utilizador. Estes parâmetros são configurados através do GLI, criando a estrutura do repositório a fim de proceder ao carregamento dos dados.

Uma vez implementados os conteúdos, o utilizador pode navegar no repositório digital através da interface Web.

A pesquisa da informação pode ser feita, através de palavras ou frases em secções ou nos documentos integrais; também existe a possibilidade de navegar por listagens de assuntos, títulos, organizações, etc. O utilizador pode optar por uma das 42 línguas disponíveis na interface e escolher o modo de visualização, em modo gráfico ou textual, e o tipo de codificação dos caracteres; na versão portuguesa encontra-se predefinido o padrão unicode (UTF-8), e o modo de visualização.

O Greenstone, sendo uma ferramenta em open-source, multilingue, de distribuição gratuita e que respeita as normas de preservação, é uma solução adequada para a construção e publicação de repositórios digitais, sem ser necessário recorrer a bases de dados, o que permite uma maior interoperabilidade entre utilizadores.

[1] A designação é a tradução para inglês de Pounamu palavra maori que designa um tipo de jade muito utilizado na Nova Zelândia, com a particularidade de ser um termo pouco comum e fácil de fixar.
[2] É uma Organização Não Governamental (ONG/NGO) que tem por missão fornecer know-how, tecnologia e soluções para o tratamento da informação, onde se incluem os repositórios digitais, tendo em vista o combate à pobreza. Uma forma de fornecer bibliotecas a baixo custo é através de CD-Rom.
[3] O CD-Rom contém o programa, com a interface em inglês, a respectiva documentação e exemplos.
[4] Prémio que distingue as tecnologias de informação com implicações sociais.
[5] RCF (Request for Comments) – memorando publicado pela Internet Engineering Task Force (IETF), com a descrição de métodos, comportamentos de investigação, ou inovações aplicáveis ao funcionamento da Internet; a RCF 1807 define um formato para registos bibliográficos.

Referências bibliográficas

WITTEN, Ian H.; BAINBRIDGE, David – How to build a digital library. San Fran-cisco, CA: Morgan Kaufmann Publishers, 2003.

WITTEN, Ian H.; BAINBRIDGE, David – A brief history of the Greenstone digital library software [Em linha]. Hamilton, NZ: University of Waikato, 2007. [Consult. 2007-04-16] Disponível WWW: <URL: http://wiki.greenstone.org/wiki/gsdoc/others/Greenstone_history.htm>

 

Cite this article as: Guerreiro, Dália, "Greenstone," in Bibliotecas e humanidades digitais , 13/03/2016, https://bdh.hypotheses.org/1436.

 

  1. Retirado de GUERREIRO, Dália Maria Godinho – Repositório digital de património cultural móvel: uma aplicação a objectos do culto católico [Em linha]. Lisboa: ISCTE, 2009. Tese de mestrado. [Consult. 13/03/2016] Disponível em www:<http://hdl.handle.net/10071/1829> []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.