The myth of the new: Mass digitization… [recensão]

Num estudo acerca do impacto da digitalização em larga escala, Gooding, Terras e Warwick em 2013 começam por diferenciar “digitalização em larga escala” (large-scale digitization) e “digitalização em massa” (mass digitization). A “digitalização em larga escala” está a ser executado por instituições detentoras do património, como bibliotecas, universidades, centros de estudo, e outras, que digitalizam os próprios acervos, enquanto a “digitalização em massa” é efetuada por grandes companhias, como a Google, com conhecimentos na área da digitalização, as quais digitalizam massivamente o espólio de outras instituições, distinguindo-se quer pela escala da digitalização, quer pela propriedade heterogénea dos acervos.

A digitalização traz benefícios à atividade académica, no sentido que torna mais fácil e alargado o acesso à informação, fazendo mesmo com que surjam novos campos de investigação. Porém, há na comunidade académica quem lhe aponte alguns aspetos menos positivos, tais como: a pouca qualidade dos textos transcritos através dos programas de reconhecimento ótico de caracteres; a pobreza dos metadados; a escolha das normas para os metadados; a pouca qualidade das imagens digitalizadas; e o predomínio da cultura anglo-americana (Gooding et al., 2013). Por outro lado, a resistência à introdução dos métodos quantitativos em Humanidades ainda se faz sentir, enquanto os mais elitistas têm reservas face à democratização dos conteúdos, acessíveis fora dos círculos habituais da investigação. Gooding, Terras e Warwick, (2013) consideram, por isso, que é necessário incrementar uma política de divulgação acerca das vantagens da digitalização junto dos investigadores em Humanidades.

A digitalização como promotora do acesso a massas documentais, e quais as mudanças que ocorrem no acesso também é abordado no artigo
Enabling complex analysis of large-scale digital collections: humanities research, high-performance computing, and transforming access to British Library digital collections, que se encontra em acesso aberto.

Referências bibliográficas:

Gooding, P., Terras, M., & Warwick, C. (2013). The myth of the new: Mass digitization, distant reading, and the future of the book. Literary and Linguistic Computing, 28(4), 629–639. Acedido em http://dx.doi.org/10.1093/llc/fqt051 

Melissa Terras, James Baker, James Hetherington, David Beavan, Martin Zaltz Austwick, Anne Welsh, Helen O’Neill, Will Finley, Oliver Duke-Williams, Adam Farquhar; Enabling complex analysis of large-scale digital collections: humanities research, high-performance computing, and transforming access to British Library digital collections, Digital Scholarship in the Humanities, Volume 33, Issue 2, 1 June 2018, Pages 456–466, https://doi.org/10.1093/llc/fqx020

Cite this article as: Guerreiro, Dália, "The myth of the new: Mass digitization… [recensão]," in Bibliotecas e humanidades digitais , 29/12/2018, https://bdh.hypotheses.org/2142.

 

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.