Está na hora de actualizar o CV

Ter o CV actualizado é uma exigência, mas também um desafio constante. Existem várias ferramentas disponíveis, mas qual ou quais escolher? 

De um modo geral todas as plataformas permitem disponibilizar a formação académica e a filiação, além de facultarem uma grande visibilidade aos conteúdos disponibilizados, mas as semelhanças acabam aí é permitem a partilha nas redes sociais.

De entre os gestores de conteúdos que permitem disponibilizar os conteúdos produzidos temos o Academia.edu. Pode-se disponibilizar a produção científica: artigos, livros e capítulos de livros. A associação dos metadados é simples e intuitiva. Permite a consulta de alguns dados estatísticos sobre a consulta e cópia dos trabalhos e também seguir outros investigadores ou ser seguido, configura-se como uma rede social para investigadores. Para se aceder aos dados estatísticos mais refinados, construir um sítio web, aos trabalhos onde fomos referidos, pesquisa avançada e ao perfil dos visitantes passa a ser pago, o valor é de 6,58€ por mês. 

Mais vocacionado para a disponibilização em linha das apresentações (vulgo slides) ou infográficos, documentos e vídeos existe o SlideShare. Com uma filosofia idêntica ao anterior. Apresenta a possibilidade de consulta dos dados estatísticos bastante detalhados.

O ResearchGate apresenta-se como uma rede social para investigadores. O tipo de conteúdo que se pode associar é muito variado: Article; Book; Chapter; Code; Conference Paper; Cover Page; Data; Experiment Findings; Method; Negative Results; Patent; Poster; Preprint; Presentation; Raw Data; Research Proposal; Technical Report; Thesis. Mais uma vez é muito intuitivo, disponibiliza ofertas de emprego. Como ferramenta exclusiva permite interpelar os pares acerca das investigações, constituindo um forum científico.

 No GoogleScholar a filosofia é um pouco diferente, os índices apresentados são definidos pela Google, os trabalhos, fundamentalmente artigos e capítulos de livro podem ser adicionados manualmente ou indexados pelo sistema, dando também sugestões de leitura com base nos trabalhos associados ao nosso perfil.

O ResearcherID para além de disponibilizar os conteúdos que se associam ao perfil, atribui um número unívoco ao investigador, permitindo que o autor seja identificado com mais facilidade, deixando de haver as confusões com nomes idênticos e por vezes iguais.  As publicações estão indexadas pela Web of Science. A informação associada a cada autor pode ser exportada e importada para o ORCID. Tem a desvantagem de ser um produto proprietário.

Por sua vez o ORCID (Open Researcher and Contributor ID em português ID aberto de pesquisador e contribuidor) é um código alfanumérico não proprietário para identificar investigadores1. É aqui que reside a grande diferença entre o Orcid e o ResearcherID, o primeiro não é proprietário e o segundo é. Além de “comunicar” com o ResearcherID, também o faz com o Ciência Vitae.

O RCAAP (Repositórios Científicos de Acesso Aberto de Portugal), como o nome sugere é o conjunto dos repositórios científicos, actualmente também inclui instituições brasileiras. Cada repositório é tutelado e gerido por instituições de ensino superior ou outras com produção científica relevante. Ao contrario dos outros produtos aqui existe uma política de aferição e de validação, dando origem a conjuntos mais coerentes de dados. A primazia é dada à produção científica das instituições. 

O Ciência Vitae é um gestor de currículos que, para Portugal, vem substituir o DeGois. As funções como editor de CV definem-se como “Crieorganize e ajuste o seu CV com informação nova ou importada de outras plataformas”2 A importação do FCT SIG-CV, ORCID, RCAAP, PRIES e RENATES, facilita muito a criação e actualização do CV. 

Actualmente é essencial ao investigador comunicar, divulgar, criar redes de interesse. As humanidades digitais trouxeram uma crescente exposição das investigações realizadas e por consequência dos seus intervenientes. 

Exposição da investigação trás por um lado um maior escrutínio por outro pode reunir sinergias ampliar a rede de conhecimentos. O principal problema é a falta de comunicação entre as várias plataformas e a falta de uniformidade e controlo sobre os metadados.

Nota: As escolhas são meramente pessoais, de forma alguma se pretendia ser exaustiva na seleção efetuada3

Cite this article as: Guerreiro, Dália, "Está na hora de actualizar o CV," in Bibliotecas e humanidades digitais , 13/03/2019, https://bdh.hypotheses.org/2275.
  1. Vd. Wikipédia []
  2. Vd. Serviços []
  3. Ver, por exemplo: SANCHEZ, Ana; GRANADO, António; ANTUNES, Joana Lobo. Redes sociais para cientistas. Lisboa: Nova Escola Doutoral –  Reitoria da Universidade NOVA de Lisboa, 2014 []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.