Perplexidade da tragédia na era digital

Poucos instantes depois do incendeio deflagrar na Catedral de Notre-Dame a Web foi invadida pelas imagens das chamas e pelos relatos que as acompanhavam, nas redes sociais, nos blogues, nos sites de noticias, um pouco por todo o lado. Repetiram-se à exaustão as mesmas imagens e, por vezes, os mesmos textos. Até parece que o direito de autor não existe, pois, na grande maioria dos casos, não há qualquer referência ao autor da imagem ou do texto, o que é um mau princípio. Defendo que o autor deve ser sempre referido, citado, enunciado: “o seu a seu dono”. Uma das excepções é o blogue português a.muse.arte que no post “Notre-Dame de Paris no rescaldo das chamas: da história à reconstrução” identifica os autores dos textos e das imagens. Os metadados também são muito descurados.

Em contrapartida, algumas instituições culturais francesas deram a conhecer aquilo que guardavam nos seus arquivos sobre Notre-Dame,ou destacaram conteúdos que já estavam disponíveis em linha, como é o caso da Gallica. Aqui, é feita uma chamada de atenção na página de abertura, dando acesso a uma página com conteúdo sobre a Notre-Dame.

Página da Gallica sobre Notre-Dame

Página da Gallica sobre Notre-Dame

São disponibilizadas, entre outros,  gravuras, desenhos, fotografias, documentário e até mesmo o manuscrito do romance de Victor Hugo Notre-Dame de Paris, e a Description de Notre-Dame, cathédrale de Paris de Guilhermy e Viollet-le-Duc. Tal como é dito na Introdução da página:

Découvrez la cathédrale Notre-Dame de Paris à travers un choix de documents permettant d’explorer divers aspects de son histoire : sa description par Viollet-le-Duc, ses peintures murales, une photo du portail du Jugement dernier par Atget, une autre par une agence de presse lors de la Première Guerre mondiale, une étude artistique de sa façade, etc. Les Sélections “Paris en images” rassemblent des photographies et gravures sur les plus célèbres monuments de la capitale française. Gallica permet également d’accéder aux manuscrits de Notre-Dame entrés dans les collections de la Bibliothèque nationale au cours de la période révolutionnaire, à l’exemple des Evangiles de Loisel.1

Também os Arquivos franceses possuem informação, que pode ser acedida. Neste caso, não se encontra toda digitalizada –  num total de 896 documentos apenas 55 estão digitalizadas – mas há sempre o acesso à descrição arquivística. Para lá das inúmeras fotografias, de diversas datas, existe muita outra documentação proveniente de diversos arquivos, e, nomeadamente, os relatórios de campanhas de obras. No arquivo audiovisual francês INA, também é possível encontrar vários ficheiros sobre a Catedral desde 1929.

Nas grandes bibliotecas digitais mundiais, como a Europena e o Internet Archive, também é possível encontrar um vasto espólio sobre a Notre-Dame.

Em poucas horas, a Wikipédia2 fez a actualização da páginas relativas a Notre-Dame, referindo o incêndio e criou uma página dedicada ao assunto, onde são detalhadamente descritos e ilustrados os danos, assim como as doações efectuadas para a reconstrução e as principais noticias publicadas, dando, além disso, conta das noticias falsas que circularam nos media e nas redes sociais.

Outro exemplo da actualização imediata é o próprio sítio electrónico da Catedral.

As imagens digitais permitem uma ampliação e uma observação de detalhes que, doutra forma, seria muito difícil e não estaria ao alcance de todos, com destaque para a imagem em alta resolução da Catedral depois do incêndio.

Mesmo à distância, a tragédia patrimonial pode ser vivida nos monitores à nossa frente, dando uma ilusão de proximidade e, por outro lado, permitindo uma apropriação que conduz a uma utilização abusiva da informação disponibilizada. Por outro lado, o manancial de dados  realizava uma actualização em tempo real, permitindo o acompanhamento do evento e uma observação de detalhes que dificilmente seria possível realidade. Porém, esta informação também pode ser – e é! – manipulada no pior sentido do termo, conduzindo a conclusões erradas, pelo que a atenção do utilizador deve ser redobrada para distinguir o erro.

A reconstrução não será fácil e, certamente, gerará muito polémica. No entanto, toda a documentação disponível, alguma apenas em suporte digital, permite que a Catedral continue a existir como antes da tragédia. Independentemente da reconstrução física do edifício que venha a ser feita, a sua reconstituição será sempre viável digitalmente, incluindo a sua própria evolução e as alterações introduzidas ao longo da história, enquanto a representação digital da catedral, nas suas múltiplas formas e incluindo os registos fotográficos dos visitantes comuns, certamente será uma precioso auxiliar para os estudos conducentes à sua reconstrução. 

Cite this article as: Guerreiro, Dália, "Perplexidade da tragédia na era digital," in Bibliotecas e humanidades digitais , 19/04/2019, https://bdh.hypotheses.org/2407.

 

  1. Vd. Página da Gallica com os conteúdos sobre Notre-Dame []
  2. Em 87 línguas, das quais apenas verificámos as páginas em inglês, espanhol, português, alemão, italiano. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.