Biblioteca Universitária: e depois?

Com o avanço da pandemia do Covid-19 e a declaração do estado estado de emergência e sua posterior renovação, as instituições de ensino superior encerraram e, com elas, as respetivas bibliotecas.

No entanto, o trabalho na biblioteca continuou. Nas respetivas instalações ou em teletrabalho, mantiveram-se as tarefas inerentes ao funcionamento habitual:

    • Rever os catálogos;
    • Renovar os empréstimos;
    • Catalogar as novas aquisições e as doações;
    • Otimizar os respetivos sites, para um aceso mais intuitivo aos recursos digitais;
    • Disponibilizar novos recursos em linha, cedidos pelas editoras;
    • Adaptar o empréstimo domiciliário, tornando-o não presencial.

Continuar a ler “Biblioteca Universitária: e depois?”

Biblioteca em casa – Setúbal

Biblioteca em casa, Setúbal

Vigora em Portugal o estado de emergência desde 18 de março de 2020, que obriga  a população em geral a estar confinada em casa e ao encerramento das instalações e estabelecimentos, nomeadamente as bibliotecas.

Em resposta a Biblioteca Pública Municipal de Setúbal, para apoiar aos seus leitores, entre outras actividades, disponibiliza a chamada Biblioteca em Casa. Em endereço próprio https://www.mun-setubal.pt/biblioteca-em-casa/ , mas inserida  na página da Câmara Municipal de Setúbal, surge o destaque e o acesso a estes conteúdos.

Continuar a ler “Biblioteca em casa – Setúbal”

Grátis não significa sem custos

Continuamos a viver um tempo de exceção, devemos permanecer em casa. Devido a toda esta restrição de movimentos, as redes sociais tem divulgado um sem número de ligações com vista ao entretenimento individual, peças de teatro, musicais, espetáculos de ópera, de dança clássica, e de artistas contemporâneos,  a par dos livros, muitas deles  disponibilizados através bibliotecas digitais (BD).
As BD não foram criados para responder a uma necessidade pontual. As BD começaram a ser pensadas e desenvolvidas desde os anos 90 do século passado, ou seja, desde essa altura que existe um grande esforço económico e organizacional para disponibilizar gratuitamente1 os acervos em linha. 
As bibliotecas digitais, pensadas numa primeira fase, para responder às necessidades dos investigadores, estão cada vez mais abertas a todos os utilizadores, fornecendo as obras em formatos compatíveis com os dispositivos móveis.  No entanto as obras têm de estar em domínio público 2, ou seja não disponibilizam as obras atuais.  No entanto à exceções, a openLibrary realiza o empréstimo de ebooks, tendo como objectivo disponibilizar todos os livros publicados3.   Estas bibliotecas, apesar do elevado custo de produção4 sempre disponibilizaram obras de forma gratuita. Pelas reações das pessoas à divulgação destes acervos, creio que a maioria seria pouco conhecido ou mesmo completamente desconhecido do público em geral, ou seja  não havendo divulgação, não há a rentabilização do investimento. Além disso seria muito interessante que, passada a crise, divulgassem as estatísticas de acesso  e os dados comparativos a períodos idênticos. 

  1. não se está a pensar na indústria editorial, mas sim em instituições patrimoniais que disponibilizam os seus serviços de forma gratuita []
  2. em Portugal 75 anos após a morte do autor []
  3. ver site do projeto []
  4. tempo, saber, equipamento e pessoal []

Perplexidade da tragédia na era digital

Poucos instantes depois do incendeio deflagrar na Catedral de Notre-Dame a Web foi invadida pelas imagens das chamas e pelos relatos que as acompanhavam, nas redes sociais, nos blogues, nos sites de noticias, um pouco por todo o lado. Repetiram-se à exaustão as mesmas imagens e, por vezes, os mesmos textos. Até parece que o direito de autor não existe, pois, na grande maioria dos casos, não há qualquer referência ao autor da imagem ou do texto, o que é um mau princípio. Defendo que o autor deve ser sempre referido, citado, enunciado: “o seu a seu dono”. Uma das excepções é o blogue português a.muse.arte que no post “Notre-Dame de Paris no rescaldo das chamas: da história à reconstrução” identifica os autores dos textos e das imagens. Os metadados também são muito descurados.

Continuar a ler “Perplexidade da tragédia na era digital”

Está na hora de actualizar o CV

Ter o CV actualizado é uma exigência, mas também um desafio constante. Existem várias ferramentas disponíveis, mas qual ou quais escolher? 

De um modo geral todas as plataformas permitem disponibilizar a formação académica e a filiação, além de facultarem uma grande visibilidade aos conteúdos disponibilizados, mas as semelhanças acabam aí é permitem a partilha nas redes sociais.

Continuar a ler “Está na hora de actualizar o CV”

e-books, livro digital, livro eletrónico

Electronic Frontier Foundation (eff.org) graphic created by EFF Senior Designer Hugh D'Andrade to illustrate digital books
Electronic Frontier Foundation (eff.org) graphic created by EFF Senior Designer Hugh D’Andrade to illustrate digital books

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os e-books ou livros digitais

Desde o início  deste século que a leitura em dispositivos digitais sofreu um aumento exponencial. Num pequeno aparelho, leve, podemos juntar várias prateleiras de livros. Para além de facilitar o transporte da informação ainda nos fornecem um conjunto de ferramentas que tornam a leitura mais fácil, como por exemplo o acesso ao dicionário, podemos personalizar o tamanho da letra, o brilho, a cor de fundo. O marcador nunca cai e as anotações e sublinhados podem ser utilizadas diretamente, por exemplo, num processador de texto.

Continuar a ler “e-books, livro digital, livro eletrónico”

APP’s

Temos estado a tentar criar uma APP (aplicativo móvel) com conteúdos no domínio do turismo cultural e criativo. A primeira grande dificuldade foi equacionar se seria mesmo necessária uma APP, ou se bastaria criar um conjunto de páginas estáticas.

Continuar a ler “APP’s”